Tamanho do texto

Temer disse que irá liberar dados à imprensa; é a primeira vez que um presidente em exercício de mandato tem quebra de sigilo determinada

Temer disse que irá liberar dados bancários à imprensa
Beto Barata/PR - 7.7.17
Temer disse que irá liberar dados bancários à imprensa

O ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso determinou a quebra do sigilo bancário de Michel Temer (MDB). Esta é a primeira vez que um presidente da República em exercício de mandato tem o sigilo bancário rompido pela justiça.

Leia também: Barroso dá mais 60 dias para PF concluir investigação contra Michel Temer

A decisão de Barroso se deu em 27 de fevereiro, mas só foi revelada à imprensa na noite de segunda-feira (5). A quebra de sigilo se refere ao período de 1º de janeiro de 2013 a 30 de junho de 2017 e tem por objetivo auxiliar a investigação contra Temer no inquérito sobre a Medida Provisória (MP) dos Portos.

Michel Temer é suspeito de ter aceitado propina da Rodrimar , empresa que opera o porto de Santos (SP), em troca de favorecimento ao grupo por meio da edição do decreto que regulamenta contratos de concessão e arrendamento do setor portuário.

Também são investigados o ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures e os empresários Antonio Grecco e Ricardo Mesquita, ligados à Rodrimar.

Além do presidente, terão os sigilos bancários revelados João Baptista Lima, o coronel Lima, amigo pessoal de Temer; José Yunes, também amigo e advogado do emedebista; o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, famoso pelo episódio da mala com R$500 mil supostamente destinada ao presidente; e Antonio Celso Grecco e Ricardo Mesquita.

Leia também: STF autoriza quebra de sigilos em investigação sobre decreto assinado por Temer

O prazo para conclusão da investigação, que já havia sido prorrogado em dezembro pelo ministro Barroso, relator do inquérito, seria encerrado no fim de fevereiro. Mas o delegado federal responsável pelo caso, Cleyber Lopes, pediu mais tempo alegando que ainda há diligências pendentes.  O pleito contou com manifestação favorável apresentada pela  procuradora-geral da República, Raquel Dodge. 

Até o momento, a "principal prova" obtida no âmbito das investigações, conforme avaliação do ex-diretor-geral da Polícia Federal Fernando Segovia, é a gravação de conversa entre Rocha Loures e outro auxiliar de Temer , o assessor jurídico da Casa Civil, Gustavo Rocha.

No diálogo, Gustavo defende que o texto do Decreto dos Portos não deveria incluir regra para beneficiar empresas que conseguiram concessões antes do ano de 1993 (caso da Rodrimar), pois isso poderia causar "exposição" para o presidente.

À imprensa, a assessoria de Temer afirmou ter sido informada da quebra do sigilo pelo noticiário. O presidente afirmou que disponibilizará seus dados bancários aos jornalistas, por ter certeza de que, ainda que não o fizesse, o conteúdo “iria vazar”.

Leia também: Relatório da PF pede quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico de Temer

"O presidente Michel Temer solicitará ao Banco Central os extratos de suas contas bancárias referentes ao período mencionado hoje no despacho do iminente ministro Luís Roberto Barroso. E dará à imprensa total acesso a esses documentos. O presidente não tem nenhuma preocupação com as informações constantes suas contas bancárias", diz a nota, assinada pela Secretaria Especial de Comunicação Social.

Quem também se manifestou foi o  ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun. Em entrevista à imprensa, o ministro  disse que Temer está “indignado” com o fato. “O presidente vai divulgar seus extratos, não tem nada a esconder, mas encontra-se contrariado, e indignado até, por essa decisão que nós consideramos completamente indevida, principalmente pelo fato deste inquérito não possuir base fática alguma para justificar uma medida como essa”, disse Marun.