Procuradores acusam Picciani de lavar dinheiro com venda de gado

Para os procuradores, o objetivo de Picciani era esconder aumento de patrimônio, fruto de propinas, por meio da compra subfaturada de gado
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil - 21.11.17
Acusado de integrar esquema de corrupção, presidente afastado da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), foi preso por determinação do TRF-2

O Ministério Público entrou com uma ação na Justiça contra duas empresas do presidente afastado da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) Jorge Picciani (MDB), por lavagem de dinheiro com a venda subfaturada de gado.

Leia também: Ministro da Educação entrará com ação contra aula na UNB sobre “golpe de 2016”

Os procuradores acusaram as empresas Agrobilara e Agrocopa por atos contra a administração pública e improbidade administrativa.

Investigações descobriram duas operações fraudulentas entre o ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Jonas Lopes de Carvalho, réu colaborador, e as empresas de Picciani.

Para os promotores, o objetivo era esconder aumento de patrimônio, fruto de dinheiro obtido com propinas, por meio da compra de gado das duas empresas.

Grande parte do dinheiro era pago por fora, mascarando o real valor do negócio. Em delação premiada, o ex-presidente do TCE admitiu ter pago por fora a soma de R$ 760 mil a Picciani, pois não teria como comprovar a posse do valor total legalmente.

O Ministério Público pediu o afastamento dos réus de funções públicas e o bloqueio de R$ 10 milhões em bens.

Leia também: É plausível que criminosos do Rio migrem para outros estados, diz ministro

Ainda de acordo com os promotores, Jonas Lopes admitiu que, em setembro de 2014, adquiriu R$ 600 mil em cabeças de gado da empresa Agrobilara, mas a nota fiscal foi emitida com o valor de apenas R$ 100 mil.

Os outros R$ 500 mil foram pagos por fora, em dinheiro, entregues na sede do TCE e na sua residência. Já entre agosto e dezembro de 2015, foi feita uma negociação semelhante com a Agrocopa. Ele comprou 70 cabeças de gado por R$ 450 mil, mas a nota fiscal foi emitida em R$ 187,9 mil.

O MP quer a dissolução compulsória das empresas e multa de até 20% do faturamento bruto do último exercício anterior ao da instauração do processo administrativo.

Procurada, a defesa de Picciani não se manifestou até a publicação desta matéria.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Jucá recebe mensagem dizendo que recurso de termoelétrica vai para seu bolso

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-02-22/picciani-gado.html