Tamanho do texto

Operação batizada de Integração ocorre também São Paulo, Santa Catarina e no Rio de Janeiro; essa é a primeira etapa da Lava Jato deflagrada neste ano

PF faz buscas na sede do Governo do Paraná nesta quinta-feira (22); entenda a primeira fase da Lava Jato de 2018
Divulgação/ANPR
PF faz buscas na sede do Governo do Paraná nesta quinta-feira (22); entenda a primeira fase da Lava Jato de 2018

A Polícia Federal (PF) cumpre na manhã desta quinta-feira (22) sete mandados de prisão temporária e outros 50 de busca e apreensão em quatro estados, na primeira etapa da Operação Lava Jato deflagrada neste ano. Um dos alvos da operação, batizada de Integração, é a sede do governo do Paraná.

Leia também: Tribunal ordena sequestro de bens das filhas e da enteada de Antonio Palocci

As ações ocorrem ainda em São Paulo, Santa Catarina e no Rio de Janeiro. No Paraná , o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR), Nelson Leal, foi preso nas primeiras horas do dia.

Anel da Integração

Essa já é a 48ª fase da Operação da Lava Jato, e tem como alvo, segundo a PF, a apuração de casos de corrupção ligados à concessão de rodovias federais no estado paranaense. Essas estradas fazem parte do chamado Anel da Integração.

Criado em 1997, esse conjunto de estradas interliga as principais cidades do estado. Ao todo, são seis lotes de concessão de estradas federais por um prazo de 24 anos. O Anel da Integração tem um total de 2,4 mil quilômetros de extensão.

Sede da Polícia Federal em Curitiba; agentes cumprem mandados de busca e apreensão na sede do governo
Agência Brasil
Sede da Polícia Federal em Curitiba; agentes cumprem mandados de busca e apreensão na sede do governo

As ordens judiciais dessa operação da PF foram autorizadas pelo juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba. Servidores da Receita Federal e representantes do Ministério Público Federal (MPF) também participam da ação.

Leia também: Planalto rebate Lula e garante que intervenção não é gesto eleitoral de Temer

Investigações

As investigações detectaram o uso das estruturas de lavagem de dinheiro “reveladas na Operação Lava Jato para operacionalizar os recursos ilícitos pagos a agentes públicos, principalmente por meio dos operadores financeiros Adir Assad e Rodrigo Tacla Duran, investigados na Lava Jato", segundo a Polícia Federal.

Ainda de acordo com a PF, esses operadores chegaram a viabilizar o pagamento de propina a funcionários do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), do DER/PR e da Casa Civil do governo do estado.

Segundo a Globo News , os 50 mandados de busca e apreensão devem ser cumpridos nas seguintes cidades: Londrina, Curitiba, Jataizinho, Paranavaí, no Paraná; em Balneário Camboriú, em Santa Catarina; Rio de Janeiro, capital fluminense; e no município de São Paulo.

Leia também: Ação na Justiça questiona longo pedido de vista de ministro do STF

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.