Foram abertas três frentes de investigação: da Força Aérea Brasileira, do Ministério Público Federal e da PF; ministro morreu em queda de avião

Resgate dos destroços do avião foi feita por empresa especializada; investigação é feita pelo Cenipa
Reprodução/TV Globo
Resgate dos destroços do avião foi feita por empresa especializada; investigação é feita pelo Cenipa

Um ano depois da queda do avião, no mar em Paraty , no sul do Rio de Janeiro, que matou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, as causas do acidente que chocou todos os brasileiros no dia 19 de janeiro de 2017 ainda não foram divulgadas. 

Leia também: Delegado que investigou acidente com avião de Teori Zavascki é morto a tiros

Isso porque as investigações sobre a morte de Teori Zavascki foram encerradas pela Aeronáutica apenas nesta sexta-feira (19). De acordo com as autoridades, os resultados do relatório final do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) será divulgado na próxima segunda-feira (22), em Brasília.

Foram abertas três frentes de investigação – do Cenipa , ligado à Força Aérea Brasileira (FAB); do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal (PF). 

O documento que será divulgado na próxima segunda será apresentado pelo chefe do centro, brigadeiro Frederico Alberto Marcondes Felipe, e pelo investigador encarregado, coronel Marcelo Moreno.

Em geral, as investigações do Cenipa apontam fatores que contribuíram para o acidente e o que fazer para evitar novos casos. “O Cenipa é o órgão da Força Aérea Brasileira que investiga, não julga. Não é um órgão de investigação penal", disse o ministro da Defesa, Raul Jungmann

"É um órgão técnico, que tem como função encontrar causas do acidente, inclusive para reduzir a possibilidade de acidentes futuros. O relatório da Polícia Federal é mais relacionado a aspectos jurídicos penais de investigação”, completou o ministro.

Leia também: Polícia Federal foca em falha humana como causa de acidente com Teori Zavascki

No último dia 10, a Polícia Federal informou que sua principal linha de investigação aponta para falha humana nas manobras de aproximação da aeronave da pista de pouso em Paraty. A investigação ainda não foi concluída.

Corpo do ministro Teori Zavascki, do STF, foi velado no prédio do Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Beto Barata/PR - 21.1.2017
Corpo do ministro Teori Zavascki, do STF, foi velado no prédio do Tribunal Regional Federal da 4ª Região

Raul Jungmann acredita que as informações parciais divulgadas pela PF afastam a tese de atentado. “Espero que sim. Em um acidente como este, muita gente fez teses conspiratórias, isso ajuda, mas o relatório técnico definitivo, que não está na esfera policial, sobre as causas de como se deu e porque se deu com excelente nível de profissionalismo da FAB, por meio do Cenipa, teremos enfim um juízo definitivo, não que eu esteja colocando em dúvida a Polícia Federal, longe disso”, disse.

Peça central da Lava Jato

Teori era relator dos processos da Operação Lava Jato no Supremo e iria homologar a delação premiada dos executivos da Odebrecht assim que o Judiciário retomasse os trabalhos.

Raul Jungmann disse que a notícia da morte do ministro foi um choque. “Choque porque o Teori tinha nas suas mãos algumas das decisões mais importantes da vida política e, obviamente, como relator da Lava Jato era uma peça central em todo esse processo que todo o Brasil acompanha. Além de ser uma pessoa, que comigo, sempre foi muito gentil”, disse.

Jungmann destaca ainda que Teori Zavascki estava lidando com “serenidade e a imparcialidade" a tarefa. "Ele passava tudo isso, a serenidade tão necessária em um processo que mexia com os nervos não só de políticos como de todo o país”.

Leia também: Perícia da PF rejeita sabotagem em acidente de avião que matou Teori Zavascki

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.