Após festa de boas-vindas, Garotinho celebra decisão pró-Rosinha e explica jejum

Ex-governador disse ter sido vítima de uma "força-tarefa do mal" e brincou dizendo que está com o rosto "um pouco mais fino" devido a jejum na cadeia
Foto: Reprodução/Facebook - Clarice Garotinho
Anthony Garotinho ganhou decoração especial de boas-vindas após deixar a prisão de Bangu 8, no Rio de Janeiro

O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho fez uma transmissão ao vivo em sua página no Facebook neste sábado (23) para falar sobre a "perseguição" da qual ele diz ser vítima. O político passou quase um mês preso, sob acusações de ter cometido crime eleitoral, até ganhar liberdade na última quarta-feira (20) por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes .

Usando como cenário o seu apartamento na praia do Flamengo, na zona sul do Rio, que ainda exibia as bexigas e mensagem de "bem-vindo" colocada pelos seus familiares para recebê-lo após a prisão, Anthony Garotinho disse que foi vítima de uma "força-tarefa do mal".

"Eu acho que existe uma 'força-tarefa do bem', que vem combatendo a quadrilha do [ex-governador] Sérgio Cabral, e a 'força-tarefa do mal', criada para atacar aquele que vem denunciando esses crimes", declarou Garotinho, enaltecendo as denúncias que ele diz ter feito sobre o esquema de corrupção no Rio de Janeiro.

O ex-governador garantiu que não cometeu os crimes dos quais é acusado e que tampouco enriqueceu por conta de sua atividade política, alegando que paga aluguel para ocupar seu apartamento e que "vive uma vida de classe média".

"O [presidente licenciado da Alerj, Jorge] Picciani tem fazendas, bois, mineradora... O Sérgio Cabral tem barras de ouro, diamantes, contas no exterior, casa em Mangaratiba... O [deputado estadual] Paulo Melo tem empreendimentos imobiliários, uma fazenda no Triângulo Mineiro... Onde está a minha mansão? Onde está meu ouro? Onde está minha fazenda? Eu desafio: apresentem ou então calem-se", bradou o ex-governador.

Rosinha e 'greve de fome'

Mais cedo, Garotinho comemorou por meio de uma breve postagem em seu blog a decisão do ministro Gilmar Mendes em  suspender as medidas cautelares impostas contra Rosinha Matheus e liberar a ex-governadora de utilizar tornozeleira eletrônica. "Mais uma vitória da justiça", celebrou. "A Rosinha foi vitima de uma arbitrariedade e de uma covardia", complementou o político, já na transmissão em seu Facebook.

Ao fim de sua conversa com os internautas, Garotinho também explicou que não fez greve de fome no cárcere de Bangu 8 , no Complexo Penitenciário de Gericinó, mas sim um "jejum".

"Disseram que fiz greve de fome. Não. Eu fiz um jejum, e o jejum tem um propósito. Quem conhece a bíblia sabe que Daniel jejuou durante 21 dias até que o propósito dele foi atendido.
Durante minhas orações, eu dizia 'Senhor, me dê força para resistir a esse momento para que eu veja a verdade restabelecida'", disse Anthony Garotinho, que brincou com sua aparência mais magra. "Você vê que meu rosto está um pouco mais fino. Eu fiquei só tomando soro caseiro para não desidratar completamente", relatou.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-12-23/anthony-garotinho.html