Juiz determina transferência de Maluf para ala de idosos de presídio em Brasília

Condenado a mais de 7 anos de prisão, deputado de 86 anos de idade se entregou pela manhã à PF em SP após ordem do ministro Edson Fachin
Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados - 15.9.15
Paulo Maluf é acusado de ter desviado dinheiro de obras enquanto foi prefeito da capital paulista, entre 1993 e 1996

O deputado Paulo Maluf (PP-SP) será transferido da carceragem da Polícia Federal em São Paulo para a ala destinada a idosos no Centro de Detenção Provisória de Brasília. A decisão foi proferida na tarde desta quarta-feira (20) pelo juiz Bruno Aielo Macacari, substituto no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJ-DFT).

Condenado a 7 anos 9 meses e 10 dias de prisão pelo crime de lavagem de dinheiro, Paulo Maluf teve ordem de prisão proferida nessa terça-feira (19) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin . O deputado se entregou voluntariamente nesta manhã e os advogados que representam o ex-prefeito de São Paulo já anunciaram que farão de tudo para  conseguir ao menos que Maluf possa cumprir prisão domiciliar .

Ao decidir pela transferência "imediata" de Maluf para a capital federal, o juiz Bruno Macacari acionou as superintendências da Polícia Federal em Brasília e em SP para agilizar o processo, devendo o deputado permanecer na carceragem da PF em Brasília até que esteja tudo certo para recebê-lo no CDP.

O magistrado pediu ainda que a direção da unidade prisional informe no prazo de até 48 horas se tem "condições de prestar a assistência médica de que necessita o sentenciado [Maluf]". Aos 86 anos de idade, o parlamentar luta contra um câncer na próstata.

A condenação de Maluf

A ação penal contra o ex-prefeito de São Paulo foi aberta em 2011 pelo plenário da Corte. As investigações se arrastaram por mais de dez anos, desde a instauração do primeiro inquérito contra o ex-prefeito, ainda na primeira instância. O Supremo assumiu o caso após a eleição de Maluf como deputado, em 2007.

A denúncia do Ministério Público dá conta de que o ex-prefeito recebeu propina de contratos públicos com as empreiteiras Mendes Júnior e OAS durante o exercício do mandato na capital paulista. Os recursos teriam sido desviados da construção da Avenida Água Espraiada, hoje chamada Avenida Roberto Marinho. O custo total da obra foi de cerca de R$ 800 milhões.

Leia também: Fachin vota pela condenação de Paulo Maluf, mas julgamento é suspenso no STF

Segundo os procuradores, os recursos foram desviados por meio de construtoras subcontratadas para serviços fictícios, como “medições de vento”. Pelo menos US$ 225 milhões em dinheiro ilícito teriam sido movimentados em contas em Luxemburgo, na França, nos Estados Unidos e nas Ilhas Jersey, sendo, posteriormente, trazidos de volta ao País por meio da compra de ações da empresa Eucatex , da família Maluf, configurando a lavagem de dinheiro.

O relator do processo, ministro Edson Fachin, considerou em seu voto que o crime de lavagem de dinheiro é permanente , perdurando por todo o tempo em que os recursos ilícitos estiverem ocultos. Com o entendimento, Fachin afastou o argumento de prescrição do crime, levantado pela defesa, o que permitiu o voto pela condenação.

Leia também: Ex-ativista Cesare Battisti coloca tornozeleira eletrônica em Mato Grosso do Sul

Portanto, das cinco acusações de lavagem de dinheiro contra Paulo Maluf, o ministro entendeu que a condenação poderia se dar em relação a uma delas, que considera a movimentação, até 2006, de ao menos US$ 15,7 milhões em 12 contas nas Ilhas Jersey.

Além de determinar que o deputado federal cumprisse pena imediatamente, o ministro Edson Fachin ainda pediu a perda do mandato, que pode ser anunciada à Câmara, caso seja preso. de acordo com a Constituição Federal, a cassação deve ser determinada pela Mesa Diretora da Câmara “de ofício ou mediante provocação de qualquer de seus membros, ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa”.  

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-12-20/paulo-maluf-pf.html