PMDB oficializa troca de nome e diz que "cumpriu com seu dever" no impeachment

Com jingle "Junto com você, quem move o Brasil é o MDB", partido volta a adotar nome com o qual fez oposição à Arena durante a ditadura; Jucá nega que mudança seja estratégia para desvincular partido a imagem negativa
Foto: Igo Estrela/PMDB Nacional - 19.12.17
Presidente Michel Temer durante convenção do PMDB que oficializou troca de nome do partido para MDB

A cúpula do PMDB oficializou nesta terça-feira (19) a troca de nome do partido, que voltará a se chamar MDB (Movimento Democrático Brasileiro), nome que prevaleceu entre 1966 e 1979, durante a ditadura militar. A sugestão era defendida pelo presidente nacional da legenda, senador Romero Jucá (RR), e foi aprovada com 325 votos favoráveis e 88 contrários durante a convenção nacional do partido realizada em Brasília.

Leia também: Para 'afastar mau olhado', Temer recebe passe de pai de santo em evento do PMDB

Jucá negou que a mudança do nome do PMDB  seja uma estratégia eleitoreira para dissociar a imagem do partido às diversas denúncias surgidas ao longo dos últimos anos, especialmente no âmbito da Operação Lava Jato. Em vídeo institucional lançado durante a convenção, a sigla sugere que reformulação visa o resgate da antiga identidade do grupo político liderado por Ulysses Guimarães, que se contrapôs à Aliança Renovadora Nacional (Arena), o partido que representava os militares durante a ditadura.

O vídeo também apresenta o novo jingle do partido, com o refrão "Junto com você, quem move o Brasil é o MDB", e traça uma linha histórica da atuação da legenda. Ao citar o episódio do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e a consequente alçada de Michel Temer à Presidência, o partido alega que a legenda "cumpriu com seu dever".

"Com um rumo incerto, o País mergulhou em uma crise econômica e política, e o PMDB novamente cumpriu com o seu dever assumindo a Presidência da República com o impeachment da presidente", afirma a propaganda.

O próprio Temer também endossou essa ideia durante seu discurso na convenção. "Assumi a Presidência não pela minha vontade, mas pela força e presença do MDB na política nacional", disse.

A posição se contrapõe ao entendimento de Dilma e de seus aliados, que acusam Temer de ter "conspirado" para derrubar a petista da Presidência . Antigo aliado do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o doleiro Lúcio Funaro chegou a afirmar em delação que Temer e o então deputado "confabulavam diariamente" sobre o impeachment de Dilma.

Leia também: Funaro é autorizado a cumprir prisão domiciliar em sítio que tem quadra de tênis

"Ponte para o futuro" e reforma da Previdência

O vídeo institucional lançado hoje destaca ainda que Temer "trabalha para reunificar e tirar o Brasil da sua maior crise" e tem conseguido "resultados muito positivos". São colocados nesse ról a queda da inflação, a criação de vagas de emprego e a baixa dos juros.

Principal bandeira atual do governo, a reforma da Previdência voltou a ser defendida por Temer no evento realizado nesta terça-feira. "Nós estamos tendo a coragem de ser um governo reformista. A esperança voltou e com a aprovação da reforma da Previdência, os empregos voltarão com mais força", afirmou.

O tema integra a chamada "Ponte para o futuro", programa de políticas do PMDB para o País. O pacote de mudanças nas regras para acesso à aposentadoria está com a votação pré-agendada para ocorrer no plenário da Câmara dos Deputados no dia 19 de fevereiro.

Leia também: Gilmar veta uso da condução coercitiva para colher depoimentos em todo o País

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-12-19/pmdb-mdb.html