Presidente nacional da legenda, governador paulista afirmou que sanção a 'infiéis' será discutida no futuro e que o atual momento é de "convencimento"

Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin participou da entrega do Terminal metropolitano de Americana
Mastrangelo Reino/A2img - 16.12.17
Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin participou da entrega do Terminal metropolitano de Americana

O governador de São Paulo e presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, afirmou neste sábado (16) que seu partido irá punir o deputado que não apoiar a proposta de reforma da Previdência, cuja votação foi marcada para ocorrer somente no dia 19 de fevereiro , após o carnaval de 2018.

O PSDB foi o  segundo partido a fechar questão a favor do pacote de alterações nas regras para acesso à aposentadoria (o PMDB, do presidente Michel Temer, foi o primeiro ). Na reunião da cúpula tucana realizada nesta semana, no entanto, não foram discutidas as eventuais punições aos parlamentares da legenda que desrespeitarem a orientação do partido. A imposição de sanções aos 'infiéis' é uma das principais premissas do fechamento de questão.

"Terá punição, mas o nosso momento não é de discutir isso, é de convencimento", disse o Geraldo Alckmin durante cerimônia de entrega do Terminal Metropolitano de Americana, no interior paulista.

Leia também: Temer minimiza adiamento da votação da reforma e diz "não ter dúvida" de aprovação

O PSDB e a reforma

Pré-candidato à Presidência nas eleições do ano que vem, Alckmin foi eleito presidente nacional do PSDB no sábado passado (9) após a desistência dos demais candidatos, o senador Tasso Jereissati (CE) e o governador de Goiás, Marconi Perillo. O governador paulista desde então passou a apoiar a reforma da Previdência, principal bandeira do governo Michel Temer neste momento.

Foi Alckmin quem convocou a reunião da executiva nacional tucana para a última quarta--feira (13), quando foi definido o fechamento de questão a favor da proposta. Mas diferentemente do PMDB, onde os deputados 'infiéis' estarão sujeitos a serem impedidos de participar de comissões e de exercer atividades nos diretórios do partido, o PSDB não discutiu possíveis punições.

O PSDB possui atualmente 46 deputados no exercício do mandato e pode ser determinante para a aprovação do pacote de mudanças no sistema previdenciário do País. O texto precisa de ao menos 308 votos para ser aprovado no plenário da Câmara dos Deputados – número que até o momento não foi alcançado, conforme as contas do Planalto.

A redação da proposta de reforma da Previdência está pronta para ir a votação desde maio deste ano, mas teve sua tramitação paralisada por conta da crise política decorrente das denúncias do empresário Joesley Batista contra o presidente Michel Temer. Além do peemedebista, o então presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), também teve sua imagem ferida pelas acusações dos executivos da JBS.

Leia também: PGR rebate alegações de Jucá e pede para STF tornar o senador réu por corrupção

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.