Tamanho do texto

Em discurso na abertura da 11ª Conferência Ministerial da OMC, presidente afirmou que a economia brasileira 'se recupera' e 'cria postos de trabalho'

Presidente Michel Temer participa da 11ª Reunião Ministerial da Organização Mundial do Comércio
Reprodução/Twitter
Presidente Michel Temer participa da 11ª Reunião Ministerial da Organização Mundial do Comércio

O presidente da República, Michel Temer, disse que a economia do Brasil deixou a recessão para trás com a recuperação dos empregos e do crescimento industrial. Afirmou ainda, neste domingo (10), que o País está levando adiante uma “ambiciosa agenda de reformas para modernização do Brasil , o que envolve necessariamente maior e melhor inserção na economia global”.

Leia também: Temer vai à Argentina para reunião de negócios entre Mercosul e União Europeia

“O Brasil de hoje deixou para trás a recessão, nossa economia se recupera, cria postos de trabalho e a produção industrial tem crescido. As taxas de juros recuaram a seu menor patamar histórico, a inflação é a mais baixa de muitos anos seguidos”, afirmou Michel Temer

A declaração do presidente foi dada em seu discurso, na cerimônia de abertura da 11ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC), em Buenos Aires , Argentina.

Em seu discurso, Temer destacou que o Mercosul tem resgatado sua vocação original para o livre comércio e reforçou o compromisso de manter o diálogo entre os países e fortalecer o comércio multilateral.

O presidente ressaltou ainda o multilateralismo como um sistema fundamental para ampliar o comércio, os investimentos, gerar empregos e prosperidade, além de ser capaz de “conter tendências protecionistas” e trazer segurança jurídica em momentos de disputas comerciais.

“O isolamento não é solução, é ilusório pensar que o protecionismo seja o caminho sustentável para o desenvolvimento ou para o bem estar dos povos. Quando nos fechamos a nós mesmos, nos fechamos para novas tecnologias, a novas ideias e novas possibilidades. O que de fato traz desenvolvimento, o que de fato traz bem-estar é mais e mais integração”, afirmou.

Leia também: Dilma vai a Buenos Aires um dia antes de Temer para agenda de 'combate político'

O peemedebista defendeu a OMC e sua atuação na discussão de temas considerados novos como a economia digital, facilitação de investimentos, pequenas e médias empresas e também na resolução de temas antigos como comércio agrícola, que classificou como “um passivo urgente a resgatar”.

Conferência Ministerial

A reunião ministerial da OMC ocorre a cada dois anos para definir mandatos, avaliar o funcionamento da organização, tomar decisões e eventualmente lançar rodadas de negociação entre os países. As últimas edições foram sediadas em Bali e Nairobi.

Durante o evento, que ocorre até a próxima quarta-feira (13), os representantes de cada países discutirão propostas sobre subsídios agrícolas e pesca, além de medidas para as áreas de comércio eletrônico, facilitação de investimentos, pequenas e médias empresas e reforço de acordos em medidas fitossanitárias.

O presidente Temer e os líderes do Uruguai, Paraguai, Peru, Suriname, Colômbia e México assinaram a Declaração de Buenos Aires, em que reforçam o compromisso de fortalecer o comércio multilateral.

Há ainda a expectativa para que o acordo entre o Mercosul e a União Europeia seja concluído na conferência. No entanto, os pontos mais sensíveis das negociações entre os blocos, a carne e o etanol, devem ficar de fora do acordo.

Leia também: Ministro tucano Imbassahy pede exoneração do governo Temer

De acordo com a assessoria do presidente, Michel Temer deve retornar ainda neste domingo para o Brasil.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.