Marco Aurélio Mello também revogou a necessidade dos investigados fazerem uso da tornozeleira eletrônica e derrubou a proibição de viagens

A irmã de Aécio Neves, Andrea Neves,, que foi presa pela Polícia Federal em maio, agora responde em liberdade
Reprodução/Twitter
A irmã de Aécio Neves, Andrea Neves,, que foi presa pela Polícia Federal em maio, agora responde em liberdade

O ministro Marco Aurélio Mello do Supremo Tribunal Federal (STF) liberou Andrea Neves, a irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), da prisão domiciliar e do uso da tornozeleira eletrônica. 

Leia também: PSOL e Rede protocolam pedido de cassação do mandato de deputado irmão de Geddel

Com a medida, além de Andrea Neves , são beneficiados outros dois investigados no processo: Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aécio, e o ex-assessor parlamentar Mendherson Souza Lima, que trabalhou com o senador Zezé Perrella (PMDB-MG), aliado do tucano.

Em sua decisão, o ministro Marco Aurélio também derrubou a proibição de que eles entrassem em contato com outros investigados ou de que viajassem para fora do país. 

A irmã de Aécio, foi presa em maio no Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte. Em junho, foi beneficiada, junto aos demais citados, com a prisão domiciliar.

Ela é acusada pelo crime de corrupção passiva por ter solicitado, em fevereiro deste ano, uma ajuda financeira de R$ 2 milhões (em quatro parcelas de R$ 500 mil) ao empresário Joesley Batista, dono da JBS, para o irmão Aécio.

Leia também: Picciani, Melo e Albertassi são denunciados por esquema de corrupção na Alerj

Já o primo do tucano, Frederico Pacheco de Medeiros, e o assessor de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, são apontados como responsáveis por receber os repasses da JBS destinados ao senador. A denúncia é baseada na delação premiada e nas gravações feitas pelo próprio Joesley.

Em sua defesa e, consequentemente, em defesa dos demais envolvidos, Aécio afirma que não houve irregularidades no pagamento do empréstimo financeiro – que teria caráter pessoal. 

Acusados do crime de corrupção passiva 

Na decisão, o ministro Marco Aurélio de Mello ressaltou que a que a denúncia com relação aos três ficou restrita à corrupção passiva em coautoria.

Leia também: Luiz Fux assumirá o cargo de Gilmar Mendes na presidência do TSE em 2018

Após receber a decisão do ministro Marco Aurélio, o advogado de Andrea Neves, Marcelo Leonardo, afirmou que sua cliente recebe a notícia com serenidade e afirmou que, em liberdade, terá melhores condições de demonstrar sua inocência.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.