Michel Temer recebe alta e deixa hospital de helicóptero na manhã desta segunda

Temer passou bem após a cirurgia (angioplastia) de três artérias coronárias realizada na sexta-feira (24). O quadro de saúde do presidente é estável
Foto: Reprodução/Twitter
O procedimento realizado em Michel Temer implantou stents em três artérias coronárias do presidente

O presidente da República, Michel Temer, recebeu alta nesta segunda-feira (27), deixando o hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, de helicóptero. Temer passou bem após a cirurgia (angioplastia) de três artérias coronárias realizada na sexta-feira (24). O quadro de saúde é estável.

Michel Temer foi operado e está sob cuidados de uma equipe médica comandada pelo cardiologista Roberto Kalil. Depois da angioplastia realizada no presidente, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência confirmou que fora bem-sucedida e que o presidente ficaria sendo monitorado por alguns dias no hospital. Contudo, ele deve retomar suas atividades hoje.

Veja a nota divulgada pelo Sírio-Libanês na noite de ontem

O presidente Michel Temer passou a noite bem e seu quadro de saúde é estável. A previsão de alta é para amanhã, dia 27 de novembro.

Ele permanece sendo acompanhado pela equipe médica coordenada pelo Prof. Dr. Roberto Kalil Filho.

A cirurgia

O doutor e professor, Roberto Kalil Filho, que cuida do presidente, afirmou durante a coletiva que as três artérias tinham mais de 90% de obstrução.  “Foi feita avaliação com o cirurgião e com a equipe de angioplastia e foi optado pelo procedimento cirúrgico para colocação de stents”, disse.

Leia também: Lava Jato só aceita delação se tiver mentiras contra Lula, diz defesa do petista

Kalil Filho explicou que apenas uma das artérias que estavam obstruídas era importante, logo, a angioplastia resolver o problema de Temer e tem poucas chances de retorno.  Ao ser questionado sobre o que leva a tal quadro clínico, ele levantou alguns pontos: “A hereditariedade pode ser uma das causas, assim como o tabagismo, o sedentarismo e demais fatores de risco ao coração”.

Antes de ser submetido ao procedimento cirúrgico , o presidente passou por reavaliação urológica. No dia 25 do mês passado, quando era votada a segunda denúncia contra ele por envolvimento em casos de corrupção, o presidente teve um mal súbito e foi hospitalizado em Brasília. Na data, foi constatado o aumento da próstata. Dois dias após ter sido levado às pressas ao hospital, ele foi internado em São Paulo para se tratar.

O procedimento             

O procedimento realizado em Michel Temer implantou stents em três artérias coronárias. O stent é um minúsculo tubo em forma de malha e expansível, usado para desobstrução arterial e melhorar o fluxo sanguíneo no coração. A obstrução das artérias leva menos oxigênio ao músculo cardíaco, elevando o risco de infarto . A intervenção não é considerada invasiva, sem cortes nem incisões. Todo ele é feito por meio de uma pequena sonda, que, no caso de Temer, foi introduzida pela artéria femural, na altura da virilha.

 Leia também: Luciano Huck desiste de disputar eleição presidencial em 2018, diz colunista

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-11-27/michel-temer.html