Lava Jato só aceita delação se tiver mentiras contra Lula, diz defesa do petista

Advogado criticou MPF após jornal reportar que negociadores da Andrade Gutierrez foram alertados que acordo só sai com revelações contra Lulinha
Foto: Paulo Pinto/AGPT
Segundo jornal, acordo com Andrade Gutierrez só será fechado caso haja denúncias contra filho de Lula

A defesa do  ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) divulgou nota neste domingo (26) alegando que a força-tarefa de procuradores que atuam na Operação Lava Jato só aceita acordos de colaboração "se tiverem mentiras" contra o petista e sua família. O ato é uma reação à reportagem publicada nesta manhã pelo jornal Folha de S.Paulo , segundo a qual negociadores do grupo Andrade Gutierrez foram alertados que só haveria acordo com a empresa caso fossem denunciados repasses à empresa de Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, filho mais velho do petista.

Os advogados afirmam que a Lava Jato exerce "pressão para que investigados ou réus confessos confirmem narrativas acusatórias formuladas por seus membros contra Lula e seus familiares". A prática teria ocorrido com o ex-ministro Antonio Palocci e o empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS, conforme o entendimento da defesa do ex-presidente. Os advogados anunciaram na nota divuglada nesta tarde que anunciou que os fatos revelados pela reportagem da Folha serão levados a conhecimento da Procuradoria-Geral da República (PGR).

A equipe do ex-presidente também reafirma que os repasses feitos pela Telemar (Oi), que tem a Andrade Gutierrez como uma de suas controladoras, à empresa Gamecorp (que tem Lulinha entre seus sócios) já foram "exaustivamente" investigados, e que as apurações foram todas arquivadas por falta de provas.

"Abrir e reabrir investigações sem qualquer materialidade, suportada por depoimentos forçados de delatores, configura claro abuso de autoridade, além de evidenciar o mau uso das lei e dos procedimentos jurídicos para fins políticos", diz a defesa. "Os limites que a lei estabelece para o poder do Estado e de seus agentes devem valer para Lula, para seus familiares e para todos os cidadãos. Qualquer abuso deve ser tolerado e punido, na forma da lei."

Leia também: Luciano Huck desiste de disputar eleição presidencial em 2018

A Oi e a empresa de Lulinha

De acordo com a reportagem publicada pela Folha , os procuradores da Lava Jato buscam entender a razão que levou a Oi a investir R$ 82 milhões na empresa de Lulinha num momento em que a companhia acumulava prejuízos financeiros.

A Andrade Gutierrez e seus executivos possuem acordo de leniência e de delação premiada com a Justiça desde meados do ano passado, quando foi assinado um termo para o pagamento de R$ 1 bilhão a título de indenização.

Só que os investigadores notaram algumas lacunas nas versões relatadas pela empresa e seus diretores, daí as novas negociações acerca da complementação do acordo – que envolveria a inclusão de denúncias contra a família de Lula.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-11-26/lula.html