PMDB decide expulsar Kátia Abreu por desobediência e críticas a Temer

Conselho de ética do partido votou pela desfiliação da ex-ministra da gestão Dilma por desrespeito a orientações do PMDB em votações no Congresso
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado - 29.4.16
Ex-ministra de Dilma Rousseff, senadora Kátia Abreu defendeu a petista durante a discussão sobre o impeachment

O conselho de ética do PMDB decidiu na manhã desta quinta-feira (23), por unanimidade, expulsar a senadora Kátia Abreu (TO) dos quadros do partido. A informação foi confirmada pela própria agremiação e pelo presidente nacional da legenda, senador Romero Jucá (RR), em mensagens publicadas no Twitter.

O colegiado peemedebista entendeu que a senadora desrespeitou as orientações do partido ao se posicionar contra propostas defendidas pelo governo de Michel Temer (PMDB). Kátia Abreu tem atacado a reforma da Previdência, principal meta atual do governo , e também votou contra a proposta de reforma trabalhista, que foi aprovada pelo Senado em julho e entrou em vigor neste mês. A senadora ainda poderá recorrer à executiva nacional do PMDB contra a decisão do conselho de ética.

"O PMDB reforça seu respeito às mais diferentes opiniões, mas não tolerará mais desrespeito e ataques tão sórdidos como aqueles feitos em diversas oportunidades pela senadora", justificou a legenda. Jucá complementou o posicionamento afirmando que "a medida demonstra nova fase de posicionamento do partido".

Leia também: Novo ministro das Cidades toma posse e enaltece governo federal

Críticas a Temer

Ex-ministra do governo Dilma Rousseff e uma das principais aliadas da petista na batalha contra o impeachment, Kátia passou a adotar postura crítica ao governo de seu correligionário Michel Temer – tanto nas redes sociais quanto na tribuna do Senado.

Em maio deste ano, em meio à turbulência política deflagrada pelas delações de executivos da JBS, a senadora usou o microfone da casa para afirmar que Temer "perdeu a governabilidade" e que Temer "deu um atestado de incompetência política" ao convocar o Exército para patrulhar as ruas em razão de manifestações realizadas na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

"Temos um presidente da República que já deveria estar preparando a sua retirada de forma digna, de forma consensual, porque perdeu a governabilidade", esbravejou Kátia.

Já em setembro deste ano, a senadora chegou a ser afastada do PMDB por 60 dias, por decisão assinada por Jucá.

O colegiado que decidiu pelo cancelamento da filiação de Kátia Abreu no PMDB é formado por Eduardo Krause (presidente do conselho de ética), por Rosemary Soares Antunes Rainha (relatora do processo), e pelos conselheiros Maria Aparecida Moura, Arlon Viana Lima, José Luís Dias Lima e Palmínio Altimari Filho.

Leia também: Comissão da Câmara aprova proposta que põe fim ao foro privilegiado

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-11-23/katia-abreu-pmdb.html