Tamanho do texto

De acordo com presidente do partido, ingresso no ministério é incompatível com a posição de independência do Podemos em relação ao governo federal

O deputado Alexandre Baldy (GO), cotado para assumir o Ministério das Cidades em substituição ao deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), deixou o Podemos e deverá se filiar ao PP.

Leia também: Temer decide 'dança das cadeiras' e Imbassahy pode assumir Direitos Humanos

Temer com o deputado Alexandre Baldy, que é cotado para assumir o Ministério das Cidades e foi desfiliado do Podemos
Beto Barata/PR/FotosPúblicas 28.06.2017
Temer com o deputado Alexandre Baldy, que é cotado para assumir o Ministério das Cidades e foi desfiliado do Podemos

Nesta segunda-feira (20), por meio de nota, a presidente do Podemos, a deputada Renata Abreu (SP), anunciou que está desligando Baldy dos quadros do partido. Ainda não há pronunciamento do Palácio do Planalto confirmando a ida do deputado para o ministério do governo Temer.

Leia também: Moro nega pedido de Cunha para ser transferido de presídio de Curitiba

Em nota, a presidente Renata Abreu falou da posição de independência do partido em relação ao governo. “O Podemos anuncia a saída, do partido, do deputado Alexandre Baldy, que assumirá pasta no governo do presidente Michel Temer. O ingresso no ministério é incompatível com a posição de independência do Podemos em relação ao governo federal e com o projeto político que propõe uma alternativa para o país, com a pré-candidatura de Alvaro Dias à Presidência. Por isso, o partido já trata de sua imediata desfiliação, desejando boa sorte ao parlamentar”.

De acordo com a assessoria, o deputado Alexandre Baldy estava propenso a oficializar sua desfiliação do partido Podemos já nesta segunda-feira. Desde a votação da primeira denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados, no início de agosto, quando votou a favor de Temer, o deputado vinha se preparando para deixar o partido. Por ocasião da votação da denúncia, o parlamentar goiano foi afastado da liderança do partido na Câmara pela presidente Renata Abreu.

Leia também: 'Brasil colherá o que planta', diz Lula sobre possível vitória de Bolsonaro

O afastamento da liderança se deu por ele ter votado a favor do parecer da Comissão de Constituição e Justiça da Casa, que recomendava contrariamente à admissibilidade da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer. Na ocasião, dos 14 deputados do Podemos, nove contrariaram a Executiva Nacional e votaram a favor do parecer da CCJ e cinco votaram contra. O parecer foi aprovado por 263 votos contra 227.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.