'Brasil colherá o que planta', diz Lula sobre possível vitória de Bolsonaro

Em evento do PC do B hoje, o petista falou sobre a fragilidade da esquerda no País e a necessidade de "união nas ruas"; para ele, deputado federal do PSC-RJ tem "direito a se candidatar" e de "tentar convencer eleitores do País"
Foto: Divulgação/ Ricardo Stuckert
Lula admite fragilidade da esquerda e diz que 'Bolsonaro tem direito a disputar eleições' em evento neste domingo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu, neste domingo (19), que a esquerda está “fragilizada” e que o Congresso Nacional de hoje, com bancadas conservadoras ocupando a maior parte das cadeiras, é o reflexo do “pensamento político da sociedade brasileira em 2014”. Para o petista, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tem “o direito de ser candidato”, e que, caso seja eleito, o Brasil deverá “colher aquilo que planta”. As informações são do jornal Folha de S. Paulo. 

Leia também: Temer e Maia discutem andamento da reforma da Previdência na Câmara

Lula discursou hoje por 40 minutos durante um evento do PC do B, em que foi lançada a pré-candidatura da deputada Manuela D’Ávila. Segundo o petista, a aliança dos partidos de esquerda “está mais perdendo do que ganhando” e que, por isso, é necessária a mudança da postura para que as eleições de 2018 apresentem um resultado positivo.

“Estamos fragilizados na luta [para evitar o desmonte do Estado], porque os congressistas que estão votando para desmontar não têm compromisso conosco. Se a gente não tomar cuidado, vai piorar nas próximas eleições”, defendeu.

Ainda sobre a corrida eleitoral do próximo ano, o ex-presidente disse que Bolsonaro ‘tem o direito de se candidatar’. “Não sou de extrema-esquerda e muito menos o Bolsonaro é de extrema-direita. O Bolsonaro é mais do que isso e quem convive com ele sabe o que ele é. Não vou dizer, porque acho que ele tem o direito de ser candidato”, criticou.

Leia também: PSOL afasta deputado Paulo Ramos por votar a favor da soltura de Picciani

Para o petista, caso o deputado federal – famoso por sua postura conservadora e polêmica – convença os eleitores a votar nele, o País “colherá aquilo que planta”.

Divisão nas eleições

Com o lançamento da pré-candidatura de Manuela D’Ávila, esta será a primeira vez em quase 30 anos que o PC do B e o PT poderão disputar as eleições separadamente. Isso não ocorria desde 1989, mas o líder petista defendeu a ambição ao cargo pela deputada. “É um direito legítimo. Se não fosse a minha teimosia e a do PT, não teria chegado nunca à Presidência. Mesmo que não ganhe, se fizer uma campanha ideologicamente organizada, com a militância na rua, vale a pena”, disse.

Leia também: Eduardo Cunha tem retorno a Curitiba marcado para semana que vem

A presidente do PC do B , Luciana Santos, também defendeu que Lula dispute o cargo, afirmando ser “um direito”. O PT aguarda uma decisão da Justiça sobre a possível candidatura de Lula em 2018. Isso porque, se ele for condenado em segunda instância, se tornará inelegível na disputa; porém, a defesa do petista ainda conta como uma liminar concedida por um tribunal superior  (como o Supremo Tribunal Federal) para que ele possa concorrer à Presidência.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-11-19/lula-bolsonaro-eleicoes.html