Ex-deputado dois meses em Brasília para participar de audiências sobre desvios na Caixa; PF tem até a próxima sexta-feira para efetuar transferência

Eduardo Cunha desembarca no aeroporto de Brasília, local de onde foi levado para a prisão em Curitiba 13 meses atrás
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 15.9.17
Eduardo Cunha desembarca no aeroporto de Brasília, local de onde foi levado para a prisão em Curitiba 13 meses atrás

Após temporada de dois meses em Brasília, o  ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB) deixará a capital federal na próxima semana para retornar ao Complexo Médico Penal em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

A transferência de Eduardo Cunha será realizada pela Polícia Federal, que não divulga a data exata para esse tipo de procedimento. A corporação, no entanto, tem só entre segunda (20) e sexta-feira (24) para organizar o aparato necessário e levar o peemedebista de volta ao Paraná, conforme decidiu o juiz Vallisney de Souza Oliveira , da 10ª Vara Federal em Brasília, no início deste mês.

Condenado pelo juiz Sérgio Moro a 15 anos e 4 meses de prisão em ação penal sobre o pagamento de propina em negócio da Petrobras na África, Cunha está  desde o dia 15 de setembro detido no Departamento de Polícia Especializada (DPE) da Polícia Civil do DF.

Audiências da Operação Sépsis

Ele foi levado a Brasília para  participar de audiências de um processo da Operação Sépsis no qual ele é réu ao lado do também ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB), do lobista Lúcio Funaro, do ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto e do empresário Alexandre Margotto.

Nessa ação penal, Cunha é acusado de ter praticado crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional em esquema de cobrança de propina de empresas em troca da liberação de recursos do fundo de investimentos do FGTS (FI-FGTS), administrado pela Caixa.

O ex-deputado prestou depoimento no dia 6 deste mês e sua defesa queria que ele permanecesse em definitivo em Brasília a fim de aguardar a sentença do juiz Vallisney. Ao decidir sobre o pedido, o magistrado concedeu alguns dias a mais na capital federal pos reconheceu que havia "necessidade de facilitar imediatos encontros [da defesa] com o réu para fins de pedidos de diligências e atos preparatórios das alegações finais".

Leia também: Pedidos para suspender processo contra quadrilhão do PMDB vão ao plenário do STF

Cunha tenta fugir de Pinhais pela segunda vez

No Complexo Médico Penal, para onde Cunha retornará, as celas possuem 12 metros quadrados e capacidade para três detentos (embora apenas cada ambiente receba somente dois presidiários). Os banhos no presídio são coletivos.

O ex-deputado parece não gostar do local. Além das reiteradas tentativas em permanecer em Brasília, ele também foi contra sua transferência da carceragem da superintendência da Polícia Federal em Curitiba para o Complexo Médico Penal, realizada em dezembro do ano passado.

Eduardo Cunha está preso desde outubro de 2016 e aguarda julgamento de seu recurso contra a senteça do juiz Moro junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

Leia também: Cariocas fazem "festa" para comemorar um ano da prisão de Sérgio Cabral

    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.