Sessão foi adiada nesta quarta-feira (25); até o momento, votaram pela anulação da norma os ministros Barroso, Fux, Weber e Fachin; entenda

Ministros do STF analisam se devem ou não anular norma do Ministério da Saúde que proíbe homossexuais de fazerem doação de sangue
shutterstock
Ministros do STF analisam se devem ou não anular norma do Ministério da Saúde que proíbe homossexuais de fazerem doação de sangue

O julgamento sobre a validade de regras  que restringem a doação de sangue por homossexuais foi suspenso pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (25). A análise da ação de autoria do Partido Socialista Brasileiro (PSB) está sendo feita desde a semana passada, pela Corte.

A ação visa derrubar a regra do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que proíbe homens que fizeram sexo com outro homem de fazerem doação de sangue por 1 ano a partir da data do ato sexual.

Por enquanto, votaram pela anulação da regra os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e o relator, Edson Fachin. Durante a sessão realizada nesta quarta-feira, o ministro Alexandre de Moraes votou contra seus colegas, defendendo que os procedimentos tenham maiores cuidados nos procedimentos para doação feita por homossexuais .

Para que a decisão sobre a manutenção, anulação ou adaptação das regras do Ministério da Saúde e Anvisa seja declarada, é necessário que haja uma maioria de seis votos, entre os 11 ministros da Corte. Ainda precisam votar os ministros Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Marco Aurélio, Celso de Mello e Cármen Lúcia.

Votação

 Ao proferir seu voto, Fachin defendeu anulação das regras, que, segundo ele, é vista como como “discriminação injustificada” contra homossexuais. Segundo o relator, as normas deveriam mudar para que sejam consideradas apenas condutas de risco e não grupos de risco.

Leia também: Em procedimento inédito, cearense faz doação de sangue raro para bebê colombiano

Para Alexandre de Moraes, é preciso que homossexuais que tiveram relação no ano anterior doem sangue, mas que o material seja guardado para testes até o momento em que se verifique que não há qualquer risco de contaminação.

“Nesses casos o material deve ser devidamente identificado, armazenado e submetido a necessários testes somente após o período da imunidade, que deve ser definido pelos órgãos competentes, no sentido de evitar qualquer possibilidade de contaminação”, justificou seu voto.

Ação

Para o PSB, autor da ação, a regra que barra “permanentemente” a doação de sangue por parte de homossexuais “com mínima atividade sexual” é um “absurdo tratamento discriminatório”.

Segundo a Anvisa, a regra não exclui homossexuais e bissexuais, apenas exige que eles atendam ao requisito – de não ter tido relação sexual com parceiros nos últimos 12 meses.

Já o Ministério da nega o tratamento discriminatório, alegando que a regra é uma dentre outras restrições com objetivo de proteger o receptor do sangue doado contra doenças.

Leia também: Menos de 2% da população doa sangue regularmente no Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.