Ex-ministro fez duras críticas ao partido e ao ex-presidente Lula; 'Somos um partido ou uma seita guiada por uma pretensa divindade?', escreveu ele

Ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, Antonio Palocci atuou durante os governos de Lula e Dilma Rousseff
Antonio Cruz/Agência Brasil - 02.01.2011
Ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil, Antonio Palocci atuou durante os governos de Lula e Dilma Rousseff

Por meio de uma carta, o ex-ministro Antônio Palocci se manifestou nesta terça-feira (26) pedindo desfiliação do Partido dos Trabalhadores (PT). Endereçado à presidente da legenda, senadora Gleisi Hoffmann, o documento tem quatro páginas, nas quais estão descritos os motivos que o levaram-no a abandonar o partido que foi um dos fundadores.

Leia também: Recibos de aluguel entregues pela defesa de Lula indicam datas inexistentes

No texto, Palocci faz diversas críticas ao partido e ao ex-presidente Lula. Entre elas, o ex-ministro conta que achou estranho a abertura do processo contra ele na Lava Jato, não por sua condenação, mas pelas declarações contra o ex-presidente.  “Pensava ser normal que o partido procurasse saber as razões que levaram a tal condenação e minhas eventuais alegações. Mas nada recebi sobre isso", escreveu em sua carta.

Mesmo sem entrar em detalhes sobre o que sabe a respeito de ilegalidades – pois ainda está negociando um acordo de colaboração premiada com a Justiça -, ele ressalta que todo o conteúdo do depoimento criticado pelo partido descreve apenas a verdade dos fatos.

"De qualquer forma, quero adiantar sobre as informações prestadas em 06/09/2017 (compra do prédio para o Instituto Lula, doações da Odebrecht ao PT, ao Instituto Lula, reunião com Dilma e Gabrielli sobre as sondas e a campanha de 2010, entre outros) são fatos absolutamente verdadeiros", declarou.

Leia também: Após depoimento sobre 'pacto de sangue' de Lula, PT suspende Palocci por 60 dias

O ex-ministro acredita que, em breve, tudo será esclarecido pelos próprios integrantes do PT. "O próprio Lula irá confirmar tudo isso, como chegou a fazer com o 'mensalão', quando, numa importante entrevista concedida na França, esclareceu que as eleições do Brasil eram todas realizadas sob a égide do caixa dois, e que era assim com todos os partidos".

Carta Palocci
Reprodução
Carta Palocci
Carta Palocci
Reprodução
Carta Palocci
Carta Palocci
Reprodução
Carta Palocci
Carta Palocci
Reprodução
Carta Palocci










Depoimento

Palocci era acusado de trair a fidelidade partidária, em um processo aberto pelo diretório municipal de Ribeirão Preto, em São Paulo. Alvo de uma comissão de ética, o ex-ministro dos governos Lula e Dilma foi alvo de uma comissão ética por suas afirmações contra o ex-presidente petista, em seu depoimento ao juiz Sérgio Moro, no dia 6 de setembro.

Durante a colaboração, Palocci também afirmou que Lula mantinha um “pacto de sangue” com o executivo Emílio Odebrecht. O acordo incluía, além de outros ‘agrados’, um pacote de R$ 300 milhões em propinas para o Partido dos Trabalhadores.

Leia também: Após delatar Lula, Antonio Palocci poderá ser expulso do PT

    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.