Após delatar Lula, Antonio Palocci poderá ser expulso do PT

Diretório municipal do partido em Ribeirão Preto (SP) deverá se reunir na segunda-feira (18) para abertura de processo contra o ex-ministro
Foto: Reprodução/ JFPR
Preso desde o ano passado, Antonio Palocci fez revelações bombásticas envolvendo o ex-presidente Lula

Após o depoimento-bomba contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro Antonio Palocci poderá ser expulso do PT. O diretório municipal do partido em Ribeirão Preto irá se reunir na próxima segunda-feira (18) para iniciar a abertura de um processo no conselho de ética contra o ex-aliado de Lula.

Leia também: Palocci entrega Lula e Dilma de bandeja ao juiz Sérgio Moro

De acordo com informações publicadas neste sábado pelo jornal "Folha de S.Paulo", após receber a notificação, Antonio Palocci receberá um prazo para apresentação de sua defesa. A manifestação contrária será dada caso o ex-ministro queira continuar nos quadros do partido, pelo qual se elegeu deputado federal em dois mandatos.

Ainda segundo a "Folha", a situação do petista, que foi um dos nomes mais importantes dos governos de Lula e da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), também deverá ser debatida, em caráter informal, na reunião do diretório nacional do partido, que está programada para quinta e sexta-feira da semana que vem.

O ex-ministro, que negocia um acordo de delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato, declarou no início deste mês ao juiz Sérgio Moro que havia um "pacto de sangue" entre o PT e a empreiteira Odebrecht. Entre os números citados por ele, está uma quantia de R$ 4 milhões em espécie recebida pelo ex-presidente Lula.

"Eu chamei de 'pacto de sangue'. Porque envolvia um presente pessoal, que era um sítio, envolvia um prédio de um museu, pago pela empresa, envolvia palestras pagas a R$ 200 mil, fora impostos, combinadas com a Odebrecht para o próximo ano, e havia uma reserva de R$ 300 milhões que foram sendo disponibilizado com a planilha entregue pela empreiteira Odebrecht", revelou o ex-ministro.

Palocci também afirmou em sua negociação de delação premiada que entregou dinheiro vivo ao ex-presidente em ao menos cinco vezes . Ele disse ter feito as entregas pessoalmente, em pacotes com R$ 30 mil, R$ 40 mil ou R$ 50 mil.

Resposta de Lula

Na última quarta-feira (13), em depoimento ao juiz Moro, Lula afirmou que Palocci mentiu à Justiça. "O que ele disse é exatamente o que o PowerPoint queria que ele dissesse", acrescentou, referindo-se à apresentação feita pelo MPF (Ministério Público Federal) no ano passado.

O ex-presidente disse ainda que Antonio Palocci é "calculista, frio e simulador",  mas afirmou que não tem raiva do ex-aliado. “Ele tem o direito de querer ser livre (...). O que não pode é, se você não quer assumir a tua responsabilidade pelos atos ilícitos que você fez, não jogue em cima dos outros”, acrescentou.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-09-16/antonio-palocci.html