Digitais e depoimento de dono de apartamento reforçam suspeitas sobre Geddel

Polícia Federal está investigando se os R$ 51 milhões encontrados em malas de dinheiro realmente são do ex-ministro – e se o dinheiro achado é ilícito
Foto: Divulgação/Polícia Federal
Dinheiro encontrado em 'bunker' de Geddel Vieira Lima foi contabilizado com a ajuda de uma máquina especial

O dono do apartamento – onde a Polícia Federal (PF) encontrou mais de R$ 51 milhões atribuídos ao ex-ministro Geddel Vieira Lima – confirmou, em depoimento à PF, que o imóvel realmente foi emprestado ao ex-ministro. 

Leia também: Em maior apreensão da história, PF conta mais de R$ 51 milhões em lote de Geddel

As informações foram divulgadas pelo Superintendente da Polícia Federal na Bahia, Daniel Madruga, nesta quinta-feira (7). De acordo com o delegado, Silvio Silveira, proprietário do apartamento, emprestou o endereço a Geddel , para que ele guardasse os pertences do pai, que morreu no ano passado. 

Silveira disse não saber da real intenção do ex-ministro quando solicitou o empréstimo do apartamento, localizado no bairro da Graça, em Salvador. 

Leia também: Polícia Federal não possui tornozeleira para Geddel na Bahia

O superintendente informou, ainda, que o ex-ministro deve ser intimado para explicar a origem do dinheiro. O depoimento, no entanto, deve ser dado em Brasília, já que as investigações ocorrem na 10ª Vara da Justiça Federal, na capital federal.

“Importante destacar que possuir e ter o dinheiro, por si só, não é crime. Essa investigação, que está em curso em Brasília, vai apurar se a origem do dinheiro é ou não lícita”, disse o delegado.

Operação Tesouro Perdido

Batizada de Tesouro Perdido pela PF, essa operação foi autorizada pelo juiz Federal Wallisney Oliveira, que viu indícios de fraudes na liberação de créditos na Caixa Econômica Federal (Caixa), entre 2011 e 2013, período em que o ex-ministro era vice-presidente de Pessoa Jurídica.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 15.6.16
Articulador político de Michel Temer, Geddel Vieira Lima deixou o governo em 25 de novembro do ano passado

O valor encontrado dentro de malas e caixas no apartamento estava coberto apenas por um lençol, conforme relatou a PF. Para realizar a contagem do dinheiro, na última terça-feira (5), a PF levou cerca de 12 horas, e contou com a ajuda de máquina de uma empresa de transporte de valores. 

Impressões digitais

Após a contagem de todas as notas, concluiu-se que o valor apreendido na Rua Barão de Loreto soma R$ 42.643,50 e US$ 2.688 milhões, totalizando, em reais, R$ 51.030.866,40. A quantia será depositada em uma conta judicial e já foi adicionada ao processo, que vai investigar a procedência do dinheiro e se tem mesmo ligação com o ex-ministro.

Na noite desta quarta-feira (6), a PF encontrou impressões digitais do ex-ministro, no apartamento. As impressões digitais reforçam as suspeitas de ligação do ex-ministro com o dinheiro, comprovando que ele esteve no imóvel onde a quantia milionária estava guardada.

Geddel Vieira Lima cumpre prisão domiciliar em Salvador, no apartamento onde mora com a família.

Leia também: Polícia Federal encontra fortuna em "bunker" do ex-ministro Geddel Vieira Lima

* Com informações da Agência Brasil.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-09-07/geddel-depoimento-dono-digitais.html