Lula pede depoimento de advogado que fez acusações contra amigo de Moro

Ex-presidente arrolou como testemunha Rodrigo Tacla Durán; ex-advogado da Odebrecht diz que amigo do juiz tentou ajudá-lo em acordo na Lava Jato
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil - 2.2.16
Em nota, juiz Sérgio Moro condenou informações prestadas por Tacla Durán, possível nova testemunha de Lula

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva  pediu ao juiz Sérgio Moro o depoimento do advogado hispano-brasileiro Rodrigo Tacla Durán, que trabalhou para a Odebrecht e fez acusações neste mês, em entrevistas à Folha de S.Paulo , contra um amigo pessoal do juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba.

A petição foi apresentada nesta terça-feira (29) pelos advogados de Lula no âmbito da ação penal da Lava Jato que apura pagamento de propina da Odebrecht ao ex-presidente por meio da compra de um terreno para instalação do Instituto Lula  e de um apartamento em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. 

Tacla Durán revelou à Folha que o advogado Carlos Zucolloto Junior , padrinho de casamento de Moro e ex-sócio da esposa do juiz, o procurou para oferecer benefícios num eventual acordo junto à força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato. 

Durán, que trabalhou para a Odebrecht  entre 2011 e 2016 e chegou a ser preso na Espanha em novembro do ano passado a pedido de Moro, afirmou que Zucolloto o ofereceu abrandamento de sua pena e multa mais barata em troca do pagamento de propina.

O hispano-brasileiro disse ter registros dessas conversas com Zucolloto e revelou que ex-executivos da empreiteira fraudaram documentos para apresentar aos procuradores da Lava Jato apenas parte dos valores irregulares movimentados pela empresa.

Além de ser amigo pessoal de Sérgio Moro , Zucolloto também representou, até a quinta-feira passada (24), o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, em ação que tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Apesar desse fato, o Ministério Público Federal alegou em nota divulgada no domingo (27) que "nenhum dos membros da força-tarefa possui ou já possuiu relacionamento pessoal ou profissional com o advogado Carlos Zucolotto Junior".

Já o juiz Sérgio Moro confirmou ser amigo do defensor, apontado por ele como "advogado sério e competente". "Lamento que o seu nome seja utilizado por um acusado foragido e em uma matéria jornalística irresponsável para denegrir-me", condenou o magistrado.

Leia também: "Meninos da Lava Jato têm responsabilidade pela morte de Marisa", diz Lula

Justificativas da defesa

Os advogados de Lula afirmam no pedido entregue a Moro que os fatos revelados por Tacla Durán são "relevantes" à ação penal pois "tocam a idoneidade e a legalidade de processos de
colaboração premiada de executivos e ex-executivos do Grupo Odebrecht".

A defesa do ex-presidente também aponta o que considera um "erro factual" indicado pelos procuradores da Lava Jato ao negarem existência de relação com Zucolloto Junior. Para a defesa, isso "reforça a necessidade de esclarecimento dos fatos, na medida em que apresentam reflexos no quadro probatórios desta lide penal".

Os advogados de Lula asseguram no pedido de depoimento que a defesa não está interessada em "reflexos, penais ou administrativos, eventualmente relativos a alusões feitas às autoridades", mas sim na "investigação sobre fatos reais que possam influir na decisão da ação penal".

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-08-29/lula.html