Lobista é investigado em três processos da PF e pode detalhar atuação de Cunha, Geddel, Padilha e até mesmo Temer; doleiro está preso há um ano

Doleiro Lúcio Funaro está preso desde julho do ano passado após a Operação Sépsis, desdobramento da Lava Jato
reprodução/tv senado
Doleiro Lúcio Funaro está preso desde julho do ano passado após a Operação Sépsis, desdobramento da Lava Jato

A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou, nesta terça-feira (29), o acordo de delação premiada do empresário e doleiro Lúcio Funaro  ao Supremo Tribunal Federal (STF). O empresário está preso há mais de um ano no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal. Para terem validade, os depoimentos precisam ser homologados pelo ministro Edson Fachin.

Lúcio Funaro é processado pela Justiça Federal em Brasília em três investigações da Polícia Federal (PF) – Greenfield, Sépsis e a Cui Bono –  que envolvem suspeitas de desvios de recursos públicos e fraudes na administração de quatro dos maiores fundos de pensão de empresas públicas do País: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios). O empresário também foi citado nas delações da JBS.

O lobista é investigado ao lado de Henrique Alves e do ex-deputado Eduardo Cunha em ação penal que apura a liberação de recursos do FI-FGTS mediante o pagamento de propina a agentes públicos. Eduardo Cunha e Funaro também estão lado a lado em outros processos, como no que apura fraudes em fundo de previdência da Cedae no Rio de Janeiro.

Leia também: Ministra do STF abre inquérito para investigar José Serra por crime de caixa 2

Em relação a Geddel Vieira Lima, Funaro foi pivô da prisão do ex-ministro, ocorrida no início do mês passado. Segundo denúncia do MPF, o outrora articulador político do governo Temer tentou intimidar a esposa de Funaro, Raquel Pitta, para tentar evitar que o lobista assinasse um acordo de colaboração com a Justiça.

Michel Temer

Com menos de um mês pela frente no posto de procurador-geral da República, Rodrigo Janot pode ter em Funaro seu último trunfo para uma nova denúncia contra o presidente Temer. Em seu acordo de delação, o empresário Joesley Batista indicou que teria atuado para comprar o silêncio de Funaro, assim como o teria feito com Cunha, com o aval de Temer.

O lobista é citado também em episódio que envolve o peemedebista e suposta doação ilegal de R$ 4 milhões feita pela Odebrecht em 2014. O ex-assessor pessoal do presidente José Yunes confirmou em fevereiro deste ano que aceitou receber em seu escritório um pacote com documentos (cujo teor ele disse desconhecer) a pedido de Eliseu Padilha naquele ano. O pacote posteriormente teria sido retirado por Funaro.

Leia também: Barata Filho enviou flores a Gilmar, diz MPF ao reforçar pedido de suspeição

Segundo o ex-executivo da Oderecht Cláudio Melo Filho, delator da Lava Jato, o pacote de para Lúcio Funaro continha os R$ 4 milhões referentes à doação via caixa dois que havia sido combinada em reunião no Palácio do Jaburu entre ele próprio, Marcelo Odebrecht, Temer e o ministro Padilha. A Presidência da República confirma que a reunião aconteceu, mas nega que serviu para negociação de doações irregulares.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.