'Não interessa aos políticos o combate à corrupção', afirma Sérgio Moro

Em entrevista à Folha e a um grupo de imprensa internacional, o juiz federal falou sobre a Operação Lava Jato e o combate ao sentimento de impunidade
Foto: Reprodução/Globo News
Em entrevista a jornalistas internacionais, Sérgio Moro defendeu operação e disse que combate a impunidade no País

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na 1ª instância, recebeu a imprensa internacional, do grupo de jornalismo colaborativo “Investiga Lava Jato”, e o jornal “Folha de S. Paulo” neste fim de semana para conversar sobre a operação e as repercussões do combate à corrupção nestes últimos anos. Para ele, “existe uma falta de interesse da classe política brasileira em combater a corrupção”.

Leia também: Em rede social, Rodrigo Maia declara que meta fiscal "deve ficar onde está"

“Lamentavelmente, vejo uma ausência de um discurso vigoroso por parte das autoridades brasileiras em relação ao problema de corrupção. Fica a impressão de que essa é uma tarefa única e exclusiva de policiais, procuradores e juízes”, disse Sérgio Moro .

Sobre o sentimento de impunidade, o juiz acredita ser sistemático no País, mas que a Lava Jato veio mostrar que, ao contrário, isso não "será mais uma regra". 

Na entrevista, ele rebateu algumas críticas em torno da operação, como o argumento de que a Lava Jato persegue apenas um só partido. “Temos preso e condenado um ex-presidente da Câmara [Eduardo Cunha – PMDB-RJ], que era tido como inimigo do PT. Então, as críticas são equivocadas”, defendeu.

Outra questão abordada pelos jornalistas foi sobre as escutas divulgadas que envolveram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a então presidente Dilma Rousseff. Na época, o juiz afirmou que o conteúdo revelava tentativas de obstruir investigações. Indagado sobre a decisão de tornar pública a conversa, ele afirma que a escolha adotada “desde o início desse processo era tornar tudo público, desde que não fosse prejudicial às investigações” e que, portanto, “o que aconteceu neste caso não foi nada diferente dos demais”, já que “as pessoas tinham direito de saber a respeito do conteúdo daqueles diálogos”.

Leia também: JBS distribuiu R$ 1,1 bilhão em propina a 27 partidos do País, segundo revista

Um jornalista de Moçambique indagou Moro sobre seu sentimento em torno da desconstrução da imagem de Lula e da Odebrecht , antes considerados como benfeitores em seu país. A isso, o juiz apenas respondeu que “o fato de as empresas terem pagado suborno a autoridades públicas é algo reprovável, mas que isso não desmerece tudo o que já tenha feito”, esquivando-se a comentar sobre o petista.

Os repórteres questionaram o juiz sobre o envolvimento de ex-presidentes e empresas em seus territórios, e de como a operação Lava Jato possa ter levantado algumas problemáticas externas. “É difícil avaliar o que ocorre em outros países, não tenho detalhes de tudo. A globalização acaba levando à transnacionalização do crime. Se é assim, o combate aos crimes também tem que ser transnacional e envolver cooperação”, disse em certo momento.

Leia também: Em véspera de votação de denúncia, Temer publica três vídeos no Facebook

Contudo, Sérgio Moro não quis entrar no debate sobre os “detalhes jurídicos de outros países”, mas ainda afirmou, por exemplo, sobre a possibilidade de existirem laranjas fora do Brasil, que “é um método comum na lavagem de dinheiro utilizar uma pessoa interposta [um laranja], um ‘presta nombres’, para recebimento de vantagem indevida. A variedade dos procedimentos é inesgotável”, finalizou.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-07-30/sergio-moro-lava-jato.html