Conselho triplica orçamento para força-tarefa do MPF na Lava Jato em 2018

Procuradores que atuam em Curitiba terão R$ 1,65 milhão no ano que vem; aumento do valor inicial, que previa R$ 522 mil ao grupo, foi aprovado por unanimidade, mas implica na redução de verbas para outras áreas do MPF
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 25.7.17
Rodrigo Janot deixa chefia do Ministério Público Federal no dia 17 de setembro; Raquel Dodge assumirá PGR

O Conselho Superior do Ministério Público Federal (CSMP) aprovou nesta terça-feira (25) orçamento de R$ 1,65 milhão para a força-tarefa de procuradores que atuam na Operação Lava Jato  em Curitiba. O valor representa mais que o triplo dos R$ 522 mil inicialmente previstos.

Leia também: MPF prorroga por seis meses força-tarefa da Lava Jato no Rio

A ampliação dos recursos disponíveis para o grupo de procuradores da Lava Jato em 2018 foi aprovada por unanimidade pelos 11 conselheiros do CSMP. A medida atende à necessidade percebida já neste ano, quando o orçamento previsto para a força-tarefa de Curitiba era de R$ 501 mil e acabou sendo ampliado para R$ 1,2 milhão. A maior parte dos recursos é empregada no custeio de diária e passagens aéreas para procuradores e servidores do MPF .

O Conselho precisou retirar verbas de outras áreas do MPF para readequar o orçamento do grupo que atua na capital do Paraná. Desse modo, foram reduzidos o orçamento para concursos e o reajuste dos valores de diárias.

A medida foi proposta pelo vice-procurador-geral da República, José Bonifácio de Andrada, relator do orçamento do Ministério Público Federal, atendendo integralmente o que havia sido solicitado pelos procuradores em Curitiba.

Bonifácio afirmou que a medida visa "enviar uma mensagem positiva para a sociedade e a mídia", bem como “garantir a segurança” da atuação da força-tarefa, tendo em vista o “interesse público”.

Indicada pelo presidente Michel Temer para assumir a Procuradoria-Geral da República (PGR) a partir de setembro, Raquel Dodge deu sinal verde para que os demais conselheiros do CSMP acatassem a sugestão de Bonifácio, que também contou com o apoio do atual chefe da PGR, Rodrigo Janot .

“Essa seria realmente uma indicação muito positiva. Acho realmente um bom sinal, uma boa sinalização, que demonstra a todos que o Ministério Público não abre mão das investigações em curso na Lava Jato”, disse Janot.

Leia também: Alvos de investigação na Lava Jato pedem para abrir mão de foro privilegiado

Lava Jato fortalecida

Na semana passada, Raquel Dodge enviou ofício questionando suposta redução do orçamento da Lava Jato na proposta inicial apresentada por Janot, que era de R$ 522 mil.

Em resposta, Janot negou que tivesse reduzido os recursos para os servidores do MPF que atuam na operação, afirmando que o orçamento inicial serviria como base referencial, podendo ser objeto de suplementações, como de fato ocorreu com o orçamento deste ano.

Leia também: Rodrigo Janot estuda unificar denúncias contra Michel Temer

*Com informações e reportagem da Agência Brasil

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-07-25/mpf.html