"Juiz Moro não pode continuar se comportando como um czar", ataca Lula

Petista voltou hoje a criticar juiz da Lava Jato e disse que a força-tarefa do MPF mentiu: "Quando vi o PowerPoint, vi que a verdade não importava"
Foto: iG Arte
'Ele faz o que quer, como quer, sem respeitar o direito democrático', diz Lula sobre o juiz federal Sérgio Moro

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva  voltou nesta terça-feira (18) a atacar o juiz federal Sérgio Moro , comparado pelo petista a um "czar" (título usado por monarcas russos). Condenado a 9 anos e 6 meses de prisão  por corrupção e lavagem de dinheiro no caso tríplex, Lula também criticou em entrevista concedida à Rádio Capital de São Paulo a atuação dos procuradores que integram a força-tarefa da Operação Lava Jato.

“O juiz Moro não pode continuar se comportando como se fosse um czar, ou seja, ele faz o que quer, como quer, sem respeitar o direito democrático, sem respeitar a Constituição e vai passando por cima, tenta cercear o direito da defesa. Se tem um cidadão brasileiro indignado, sou eu”, declarou Lula .

“Quando vi o PowerPoint, vi que a verdade não importava, vi que tinha a necessidade da condenação política. Tinha certeza de que era um processo político de não quererem que Lula volte a ser candidato. E eu disse ao Moro no meu depoimento: você está preso ao compromisso que você tem com a imprensa, que já tinha me condenado antes”, disse o ex-presidente.

Assim como fez em seus dois pronunciamentos pós-condenação  na Lava Jato , o ex-presidente se apresentou como pré-candidato do PT para a eleição presidencial do ano que vem.

“Eles estão julgando, na verdade, é o meu mandado de oito anos. E eu quero defendê-lo porque o meu mandato já foi julgado em 2006 quando eu fui reeleito e foi julgado em 2010 quando eu saí com 87% de aprovação”, ressaltou.

Lula criticou o governo Temer e disse que tem como objetivo defender o legado deixado pelas gestões petistas, que para ele representaram “o mais importante momento econômico e de inclusão social da história" brasileira.

“Estou convencido que nós temos um legado capaz de mostrar para a população que nós temos condições de consertar o Brasil. Porque, neste instante, a gente não deveria estar discutindo processo contra de Lula, e sim como resolver os problemas graves do Brasil”, afirmou o ex-presidente.

O ex-presidente voltou ainda a defender a realização de eleições antecipadas, dizendo que o próprio presidente Michel Temer, alvo de denúncia da Procuradoria-Geral da República, deveria convocar um novo pleito. “Ele não tem mais junto à sociedade qualquer possibilidade de governar. O certo seria ele mesmo convocar uma eleição”, disse Lula.

Leia também: Gleisi aponta perseguição a Lula e apoia Maduro em encontro do Foro de São Paulo

Confira a entrevista completa de Lula à Rádio Capital de São Paulo:


Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-07-18/lula.html