Maia quer votar denúncia contra Temer até agosto: “Brasil não pode parar”

Presidente da Câmara apelou aos deputados para que a denúncia seja votada o mais breve possível e admite que pode suspender recesso parlamentar
Foto: Lula Marques/Agência PT - 14.9.2016
“Se atrasarmos essa votação, quem perde é o Brasil, independentemente do resultado”, afirmou Rodrigo Maia

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez um apelo, nesta terça-feira (11) para que a denúncia contra o presidente Michel Temer seja votada “o mais breve possível” pela Casa. Maia defende que a denúncia é “grave” e que “o Brasil não pode parar” por causa da tramitação do processo.

Leia também: Governistas reúnem assinaturas contra senadoras que ocupam mesa do Senado

“Eu faço um apelo para que a gente possa respeitar qualquer acordo que tenha sido feito e possa avançar na votação do parecer [sobre a denúncia]  no prazo mínimo que foi acordado entre os membros da comissão [de Constituição e Justiça],. É importante que a comissão vote e que o plenário vote o parecer, o Brasil não pode ficar parado. É uma denúncia contra o presidente da República, é grave, eu espero que a gente consiga votar essa matéria o mais breve possível”, disse Rodrigo Maia .

O parecer favorável à admissibilidade da denúncia contra Temer, apresentado pelo deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) ontem, ainda está sendo analisado pelos membros da CCJ da Câmara, podendo ser votado até a próxima sexta-feira (14). Caso o texto seja aprovado, o parecer seguirá diretamente para o plenário da Câmara.

O presidente Michel Temer foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção passiva no final de junho deste ano, após delações de empresários da J&F Holding, dona do frigorífico JBS.

Fechamento de questão

A Executiva Nacional do PMDB decidirá nesta quarta-feira (12) se fecha a questão em torno da votação da denúncia contra Temer na CCJ . Segundo o vice-líder do governo na Casa, Carlos Marun (PMDB-MS), a tendência é que o partido do presidente da República decida por fechar questão pelo voto contrário ao prosseguimento da denúncia.

Leia também: Após 'dança das cadeiras', Temer diz que vai respeitar qualquer decisão da CCJ

Com isso, o partido estaria orientando seus membros sobre como devem votar o tema. Quem não seguir a ordem pode ser punido.

O presidente da Câmara espera que a denúncia já possa ser votada pelo plenário no início da próxima semana. Além disso, Maia admitiu que o quórum necessário para aprovação da matéria é alto, já que, para ser aprovada, a denúncia precisa do apoio de pelo menos 342 deputados, o que representa dois terços do total de 513 deputados.

Leia também: MPF quer arquivar investigação que apura se Lula tentou obstruir a Lava Jato

O parlamentar ressaltou que não gostaria de deixar a matéria para ser apreciada em agosto, mas recusou-se a dizer se poderia ser suspenso o recesso parlamentar da Câmara, previsto para começar na próxima semana. A suspensão impediria a votação em plenário. “Se atrasarmos essa votação, quem perde é o Brasil, independentemente do resultado”, afirmou Rodrigo Maia.

*As informações são da Agência Brasil

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-07-11/rodrigo-maia.html