Manifestação, organizada por grupos de oposição ao presidente Michel Temer (PMDB), conta com apresentações musicais de diversos artistas

Protesto é organizado por centrais sindicais e movimentos sindicais; estimativa de público não foi divulgada
Divulgação/CUT
Protesto é organizado por centrais sindicais e movimentos sindicais; estimativa de público não foi divulgada

Movimentos sociais e centrais sindicais realizam protesto neste domingo (4) no Largo da Batata, zona oeste da capital paulista, para reivindicar a saída do presidente Michel Temer (PMDB) e a convocação de eleições diretas.

Leia também: Planalto apagou antigos registros da agenda de Temer após delação, diz revista

Ao longo de todo o dia, o protesto contará com diversas apresentações musicais, de artistas como Mano Brown, Péricles, Criolo, Tulipa Ruiz, Paulo Miklos, Pitty, Emicida, Maria Gadú, Chico César, Edgard Scandurra e Simoninha, entre outros.

O ato foi organizado por grupos como CUT (Central Única dos Trabalhadores), MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) e UNE (União Nacional dos Estudantes). Partidos que integram a oposição ao presidente Temer também participam, como PT e PSOL.  Ainda não houve divulgação da estimativa de público. Também não há informações a respeito de confrontos envolvendo manifestantes.

Leia também: Fachin nega pedido de defesa de Temer e presidente será interrogado pela PF

Em seu discurso, Guilherme Boulos, que integra a coordenação nacional do MTST, destacou a importância da participação dos artistas na manifestação. “Quando, há 35 anos, teve o primeiro comício pelas Diretas Já , lá na Praça Charles Miller, ele foi pequeno. Não estava tão grande. Mas depois, quando entraram na luta movimentos, artistas, músicos, toda a sociedade, o Diretas Já cresceu e foi capaz de derrotar a ditadura militar naquele momento.”

Proposta no Senado

Na última quarta-feira (31), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou, por unanimidade, a admissibilidade da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que prevê a realização de eleição direta  para presidente da República se o cargo ficar vago nos três primeiros anos de mandato.

Atualmente, a Constituição Federal admite eleição direta apenas se a vacância na Presidência da República ocorrer nos dois primeiros anos de mandato. Após esse período, deve ser realizada uma eleição indireta pelo Congresso Nacional, em um período de até 30 dias. Com a mudança proposta na PEC, a realização de eleição indireta para presidente e vice-presidente ficará restrita ao último ano do mandato. A PEC será encaminhada para votação no plenário do Senado e, se for aprovada, seguirá para apreciação na Câmara dos Deputados.

O relator da PEC é o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que, por meio de redes sociais, também manifestou apoio ao protesto realizado neste domingo em São Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.