Após recursar convite de Temer, ex-ministro reassumiu cadeira no Congresso hoje; investigado no STF, Loures poderá ser processado na Justiça comum

Retorno de Osmar Serraglio (PMDB-PR) à Câmara dos Deputados retira foro especial de Rocha Loures
Wikimedia Commons
Retorno de Osmar Serraglio (PMDB-PR) à Câmara dos Deputados retira foro especial de Rocha Loures

O ex-ministro da Justiça Osmar Serraglio (PMDB-PR) reassumiu nesta quinta-feira (1ª) sua cadeira na Câmara dos Deputados. Com o retorno dele ao Congresso, seu suplente, Rocha Loures (PMDB-PR) deixa de exercer o cargo de parlamentar e, com isso, perde a prerrogativa de foro privilegiado.

A volta de Osmar Serraglio à Câmara mesmo após demissão do Ministério da Justiça chegou a correr riscos, uma vez que o presidente Michel Temer queria que ele assumisse o Ministério da Transparência  e Controladoria-Geral da União (CGU). Contrariado pela falta de acesso a Temer, Serraglio recusou o convite nesta semana .

Rocha Loures é ex-assessor de Temer no Gabinete da Presidência da República e é investigado ao lado do presidente em inquérito processado no Supremo Tribunal Federal. Uma vez que ele não possui mais o foro especial por prerrogativa de função, o relator do caso no STF, ministro Edson Fachin, poderá agora remeter o processo para a Justiça comum.

Loures foi gravado recebendo uma mala com R$ 500 mil enviado por executivos do grupo JBS em São Paulo. A gravação foi feita pela Polícia Federal, que atuou junto à Procuradoria-Geral da República na negociação de delação premiada feita pelos irmãos Wesley e Joesley Batista, da J&F.

O agora ex-deputado teria sido indicado pelo presidente Michel Temer para atuar em favor dos interesses do grupo junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Os dois negam as acusações.

Leia também: Defesa de Dilma apresenta provas e diz que marqueteiros confundiram atraso com caixa 2

Rejeição

Outrora aliado de Eduardo Cunha na Câmara dos Deputados, Serraglio foi sacado do Ministério da Justiça por perder o poder de interlocução com a Polícia Federal, conforme informou o Blog Esplanada, do iG. 

O baixo moral do peemedebista com os agentes federais remete a episódio de março deste ano, quando Serraglio foi flagrado em grampo telefônico da Operação Carne Fraca  conversando com Daniel Filho, apontado como líder do esquema envolvendo agentes de fiscalização e frigoríficos.

Em razão da indicação de Osmar Serraglio para a Transparência, funcionários da Controladoria-Geral da União fizeram protesto no início desta semana em frente à sede do ministério contra sua nomeação. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.