Tamanho do texto

Desdobramento da Lava Jato apura se a campanha que elegeu o petista para a Prefeitura de SP em 2012 envolveu repasse "paralelo" por meio de gráficas

Ex-prefeito de Sâo Paulo Fernando Haddad alega que sua gestão contrariou interesses da construtora UTC Engenharia
Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Ex-prefeito de Sâo Paulo Fernando Haddad alega que sua gestão contrariou interesses da construtora UTC Engenharia

A Polícia Federal pretende intimar o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) para depor no inquérito que apura irregularidades nas contas da campanha que o elegeu na capital paulista em 2012. Os supostos crimes eleitorais foram alvo da Operação Cifra Oculta, desdobramento da Lava Jato deflagrado nesta quitna-feira (1º) .

Os investigadores apuram se a campanha de Fernando Haddad em São Paulo envolveu lavagem de dinheiro oriundo dos cofres da UTC Engenharia. De acordo com depoimento do ex-presidente da construtora Ricardo Pessoa, ele "efetuou pagamento à margem, em contabilidade paralela da campanha de Haddad".

"Esse pagamento foi operacionalizado pelo [doleiro] Alberto Youssef para uma gráfica aqui de São Paulo”, ressaltou o delegado Rodrigo de Campos Costa, da Polícia Federal .  Costa disse ainda que, a partir das informações recolhidas durante o cumprimento dos mandados judiciais da Cifra Oculta, poderá pedir o indiciamento de Haddad.

Segundo os relatos colhidos até o momento, foram feitos pagamentos por meio de depósitos bancários e em espécie para gráficas que atuaram na campanha de Haddad no valor total de R$ 2,6 milhões.

Os pagamentos teriam sido feitos a pedido do então tesoureiro do PT , João Vaccari Neto. Algumas das gráficas sob suspeita são ligadas ao ex-deputado estadual Francisco Carlos de Souza (PT). 

“Os valores pagos para essa gráfica eram muito superiores aos declarados ao Tribunal Eleitoral como quitação de campanha”, enfatizou o delegado da PF.

Leia também: Moraes pede vista e adia decisão sobre restrição ao foro privilegiado no STF

Outro lado

Haddad afirma que “a gráfica citada, de propriedade do ex-deputado Francisco Carlos de Souza, prestou apenas pequenos serviços devidamente pagos pela campanha e registrados no TRE [Tribunal Regional Eleitoral]”. 

Em nota, o ex-prefeito de São Paulo diz ainda que "contrariou interesses da empreiteira" durante sua gestão.

“A UTC teve seus interesses contrariados no início da gestão Fernando Haddad na prefeitura, com o cancelamento das obras do túnel da Avenida Roberto Marinho, da qual fazia parte junto com outras empreiteiras igualmente envolvidas na Lava Jato. O executivo da UTC Ricardo Pessoa era dos mais inconformados com a decisão”, acrescenta o comunicado.

Leia também: MPF pede ao STJ a prisão cautelar ao empresário Eike Batista

*Com reportagem da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.