Ex-procurador Marcelo Miller, que atuava na Lava Jato até março, deixou o MPF para a área privada na véspera da conversa entre Joesley e Temer

Rodrigo Janot, que está no comando da PGR, tinha Marcelo Miller como seu braço-direito na Operação Lava Jato
Geraldo Magela/Agência Senado
Rodrigo Janot, que está no comando da PGR, tinha Marcelo Miller como seu braço-direito na Operação Lava Jato

O ex-procurador Marcelo Miller – que atuava como braço-direito do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, até março deste ano, e participava da Grupo de Trabalho da Lava Jato – passou a trabalhar no escritório de advocacia que negociou os termos da leniência do grupo JBS com a Procuradoria-Geral da República. 

Leia também: Joesley Batista comprou a justiça de novo?

De acordo com a Band News , Marcelo Miller trabalha agora no escritório Trench, Rossi & Watanabe Advogados, no Rio de Janeiro, que foi contratado pela JBS para negociar os detalhes da delação premiada dos irmãos Wesley e Joesley Batista. 

Da acusação à defesa

A decisão do ex-procurador de deixar o Ministério Público Federal veio ao público no dia 6 de março, véspera da conversa entre Joesley e o presidente da República, Michel Temer (PMDB), gravada pelo empresário e utilizada na delação.

Marcelo Miller ex-procurador da republica que atuou na Lava Jato até março, e agora é advoga para o escritório que defende Joesley Batista
Divulgação/MP
Marcelo Miller ex-procurador da republica que atuou na Lava Jato até março, e agora é advoga para o escritório que defende Joesley Batista

Antes disso, Marcelo Miller era, segundo coluna do Estadão , um dos mais duros procuradores do Grupo de Trabalho do Janot, um núcleo de procuradores especialistas em direito penal recrutado pelo procurador-geral em 2013 para atuar na Lava Jato.

Leia também: "Se quiserem, me derrubem", desafia Temer em entrevista a jornal

Ex-diplomata do Itamaraty e considerado um dos mais especializados membros do MPF em direito internacional e penal, Miller esteve à frente de delações como a do ex-diretor da Transpetro Sergio Machado e do ex-senador Delcídio do Amaral.

Em ambos os episódios, foram usadas gravações secretas. No caso de Delcídio, quem gravou foi Bernardo Cerveró, o filho do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. E, na delação de Sergio Machado, vários expoentes do PMDB foram gravados sem que eles soubessem.  

Há ainda informações de que Miller seja o criativo por trás de ideias que ajudaram a flagrar políticos agora acusados, como a colocação de chips em malas de dinheiro e a utilização de notas numeradas para facilitar o rastreamento da propina. 

Leia também: Temer usa operação que ainda não tinha ocorrido ao justificar visita de Joesley

Em contraponto, no último sábado, Janot emitiu uma nota afirmando que Marcelo Miller não participou do acordo de delação premiada de Joesley Batista , Wesley e seus executivos. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.