Tio de Aécio Neves diz que carreira política do tucano está encerrada

Pai de Frederico Medeiros, primo do senador, diz que o político não tem o “mínimo de cerimônia com os escrúpulos”; Fred foi preso na semana passada
Foto: Reprodução
Tio do senador Aécio Neves (PSDB-MG) confirmou ao 'Estadão' que é o autor do texto publicado no Facebook

Tio do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), o desembargador aposentado do TJ-MG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) Lauro Pacheco de Medeiros Filho disparou críticas contra o sobrinho em seu perfil no Facebook. O texto foi publicado após a prisão de Frederico Pacheco de Medeiros, primo do tucano e filho do magistrado.

Leia também: Joesley Batista pediu "pelo amor de Deus" para Aécio Neves parar com pedidos

O tio do tucano afirmou que falta a Aécio “qualidade moral e intelectual para o exercício do cargo que disputou de presidente da República”. O desembargador, que se aposentou do cargo em 1998, confirmou ao jornal “ O Estado de S.Paulo ” ter sido o autor do texto publicado na rede social.

Lauro afirma ainda que a prisão de Fred é consequência das ações do senador, que foi gravado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, da JBS , para o pagamento de advogados. “Aécio: meu filho Frederico Pacheco de Medeiros está preso por causa de sua lealdade a você, seu primo”, disparou.

Leia também: Aécio se defende de acusações de Joesley Batista: "Absolutamente tranquilo"

O desembargador aposentado também fez referências a Tancredo Neves, que foi eleito presidente do Brasil em 1985, mas morreu antes de assumir o mandato. “Ele [Fred] tem um ótimo caráter, ao contrário de você, que acaba de demonstrar não ter, usando uma expressão de seu avô Tancredo Neves, o ‘mínimo de cerimônia com os escrúpulos’”, acrescentou.

Prisão

Fred foi preso preventivamente pela Polícia Federal na última quinta-feira (18) durante a Operação Patmos. O primo de Aécio recebeu uma mala com o valor solicitado pelo senador. O valor foi levado pelo diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, um dos diretores.  Em seguida, Fred passou o dinheiro para Mendherson Souza Lima, assessor parlamentar do senador Zezé Perrella (PMDB-MG). No mesmo dia, a irmã de Aécio, Andrea Neves, também foi presa.

Veja a íntegra da carta escrita pelo tio de Aécio:

Aécio: Meu filho Frederico Pacheco de Medeiros está preso por causa de sua lealdade a você, seu primo.

Ele tem um ótimo caráter, ao contrário de você, que acaba de demonstrar não ter, usando uma expressão de seu avô Tancredo Neves, o “mínimo de cerimônia com os escrúpulos”.

Vejo agora, Aécio, que você não faz jus à memória de seu saudoso pai, o deputado Aécio Cunha. Falta-lhe, Aécio, qualidade moral e intelectual para o exercício do cargo que disputou de presidente da República.

Para o bem do Brasil, sua carreira política está encerrada.

Ass. Lauro Pacheco de Medeiros Filho

Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-05-22/tio-aecio.html