Temer usa operação que ainda não tinha ocorrido ao justificar visita de Joesley

Em entrevista, presidente disse imaginar que empresário marcou encontro para falar sobre a Carne Fraca, mas a operação ocorreu 10 dias após reunião
Foto: VANESSA CARVALHO
Encontro entre Michel Temer e Joesley Batista ocorreu no dia 7 de março; Operação Carne Fraca foi deflagrada no dia 17

O presidente Michel Temer (PMDB) mencionou a Operação Carne Fraca, deflagrada em março pela Polícia Federal, para justificar o encontro ocorrido entre ele e o empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS. A justificativa foi apresentada pelo presidente nesta segunda-feira (22) em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo .

A visita do dono do grupo JBS ao Palácio do Jaburu, no entanto, ocorreu antes de a Polícia Federal dar início à operação que apura esquema envolvendo frigoríficos e funcionário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O encontro entre Joesley e Temer data do dia 7 de março, enquanto a Operação Carne Fraca só foi deflagrada dez dias mais tarde, no dia 17 de março.

"Veja bem. Ele é um grande empresário. Quando tentou muitas vezes falar comigo, achei que fosse por questão da [Operação] Carne Fraca", explicou o presidente à Folha . "Eu disse: 'Venha quando for possível, eu atendo todo mundo'. [Joesley disse] 'Mas eu tenho muitos interesses no governo, tenho empregados, dou muito emprego'. Daí ele me disse que tinha contato com Geddel [V. Lima, ex-ministro], falou do Rodrigo [Rocha Loures], falei: 'Fale com o Rodrigo quando quiser, para não falar toda hora comigo', explicou o peemedebista, já justificando a indicação do deputado Rocha Loures.

Leia também: STF só julgará recurso de Temer após perícia da Polícia Federal em gravação

Pedido de impeachment

Também na entrevista, Temer negou que tenha cometido crime de prevaricação ao deixar de tomar atitudes em relação aos fatos narrados por Joesley Batista . "Muita gente me diz as maiores bobagens que eu não levo em conta. Confesso qu enão levei essa bobagem em conta", afirmou o presidente.

O suposto crime de prevaricação do presidente embasa um pedido de impeachment que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pretende protocolar  na Câmara dos Deputados ainda nesta semana.

Em entrevista coletiva nesta segunda-feira, o presidente da OAB , Claudio Lamachia, classificou os fatos envolvendo o presidente como "gravíssimos" e disse que Temer cometeu crime ao tomar conhecimento de crimes impetrados por Joesley e não ter tomado atitudes em relação a isso. 

"Na medida que o senhor presidente diz que esse empresário é um 'fanfarrão' e que ele não levou em consideração [o que Joesley disse] e não tomou nenhuma atitude por conta disso, parece que é uma situação que agrava o fato. Se ele sabia que estava diante de um 'fanfarrão' e um 'delinquente', primeiro que ele nem deveria ter recebido. O mínimo que ele deveria ter feito era encerrar a conversa e comunicar as autoridades competentes", defendeu Lamachia.

"Não é uma fantasia o que estava sendo dito", continua. "Tanto é que temos um membro do Ministério Público que está preso por força de sua participação nesse episódio. Não se pode dizer que ele seja fantasioso."

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-05-22/carne-fraca-temer-joesley.html