Áudio de Temer e Joesley tem quase 40 minutos de duração; antes da divulgação, o presidente se pronunciou e disse que não vai renunciar

Áudio da conversa entre Michel Temer e Joesley Batista foi divulgado pelo STF nesta quinta-feira (18)
Beto Barata/PR - 18.5.2017
Áudio da conversa entre Michel Temer e Joesley Batista foi divulgado pelo STF nesta quinta-feira (18)

O STF (Supremo Tribunal Federal) divulgou no início da noite desta quinta-feira (18) os áudios da conversa entre o presidente Michel Temer (PMDB) e o empresário Joesley Batista, proprietário do frigorífico JBS.

Leia também:  "Não renunciarei", garante Michel Temer

O áudio liberado pelo STF tem cerca de 39 minutos e contém a íntegra da conversa entre o Michel Temer e Joesley, que firmou acordo de delação premiada com a PGR (Procuradoria-Geral da República).

Ouça o áudio: 

Na gravação, aos 9 minutos e 32 segundos, Joesley diz ao presidente: “O que eu queria dizer é o seguinte: tamo (sic) junto. O que o senhor precisar de mim, viu? Me fala.” Em seguida, o empresário questiona: “Eu queria te ouvir um pouco, presidente. Como é que o senhor tá (sic) nessa situação toda aí?”.

Aos 10 minutos e 15 segundos, Joesley relata: “Eu, dentro do possível, fiz o máximo que deu ali, zerei tudo do que tinha de alguma pendência”. Pouco depois, aos 11’15”, o empresário diz: “O negócio dos vazamentos… o telefone lá do Eduardo com o Geddel. Volta e meia citavam alguma coisa meio tangenciando a nós, a não sei o que. Eu estou lá me defendendo”.

Um dos trechos mais polêmicos pode ser ouvido na faixa de 11’30”. Joesley fala ao presidente: “O que eu mais ou menos estou fazendo até agora? Eu estou de bem com o Eduardo…” e é interrompido por Temer, que diz: “Tem que manter isso, viu?”.

Leia também: Fachin autoriza abertura de inquérito para investigar Michel Temer

Entenda o caso

Os proprietários da JBS, Joesley e Wesley Batista, apresentaram à PGR uma gravação na qual o Temer endossa o pagamento de uma "mesada" para calar o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB)  e o operador de propinas Lúcio Funaro, ambos presos. Ao saber desta informação, o presidente teria solicitado que a prática não parasse: "Tem que manter isso".

No depoimento aos procuradores, Joesley revelou que a ordem da mesada na cadeia não partiu de Temer, mas que o presidente tinha total conhecimento de toda a operação.

Outra informação que atinge diretamente o presidente é a de que Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), homem de confiança de Temer e ex-assessor especial da Presidência, teria recebido R$ 500 mil de propina para cuidar de uma pendência da J&F, holding que controla a JBS. A pendência, no caso, seria a disputa entre a Petrobras e a J&F sobre o preço do gás fornecido pela estatal para a termelétrica EPE.

Ao ser indagado por Joesley sobre quem poderia ajudar a resolver esta situação a seu favor, Temer teria apenas respondido para falar "com o Rodrigo". A pendência foi resolvida mediante um pagamento de R$ 500 mil semanais por 20 anos, tempo que duraria o acordo com a EPE. Apenas a primeira parcela de R$ 500 mil teria sido paga.


O conteúdo das delações foi homologado pelo STF nesta quinta-feira.

Leia também: Veja trechos da conversa entre Aécio Neves e Joesley Batista

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.