Assessoria de imprensa do senador publicou nas redes sociais esclarecimento sobre a denúncia feita contra ele

Aécio Neves se defendeu das acusações feitas por Joesley Batista, presidente da JBS
Geraldo Magela/Agência Senado - 22.2.2017
Aécio Neves se defendeu das acusações feitas por Joesley Batista, presidente da JBS

Após o Palácio do Planalto, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi mais um a se manifestar quanto a denúncia de Joesley Batista, dono da JBS, que afirmou ter gravado conversa onde o tucano pediu R$ 2 milhões ao empresário. O dinheiro teria sido entregue a um primo de Aécio, que foi filmado pela Polícia Federal enquanto recebia a propina.

Leia também: Dono da JBS gravou Temer aprovando compra de silêncio de Cunha

Através das redes sociais, a assessoria de imprensa de Aécio Neves afirmou que o tucano está "absolutamente tranquilo" com a situação e que sua relação com Joesley Batista era estritamente pessoal, sem envolvimento no setor público.

Presidente do PSDB e candidato a presidência nas últimas eleições, Aécio foi um expresso e ferrenho defensor da Lava Jato nos últimos meses, apesar de ser um dos campeões de citações. O senador vem perdendo força dentro do partido para a disputa das próximas eleições para presidente.

Confira a nota de Aécio Neves na íntegra

"O senador Aécio Neves está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos. No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público. O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários."

Entenda o caso contra Aécio

Segundo o colunista Lauro Jardim,  do jornal "O Globo",  Joesley Batista entregou à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma gravação onde Aécio Neves pede R$ 2 milhões ao empresário para ajudar a pagar a sua defesa na Lava Jato.

O dinheiro teria sido entregue a Frederico Pacheco de Medeiros, o Fred, que é primo de Aécio e coordenou a campanha do tucano para o planalto. "Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara", teria dito Aécio, em conversa gravada. Um dos quatro pagamentos de R$ 500 mil foi filmado pela Polícia Federal. Quem entregou o dinheiro ao primo de Aécio foi o diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, hoje um dos delatores.

A PF seguiu Fred, que foi filmado repassando a pagamento a Mendherson Souza Lima, assessor parlamentar de do senador Zezé Perrela (PSDB-MG), amigo pessoal e aliado político de Aécio. Ainda segundo a reportagem, o dinheiro teria sido rastreado até uma empresa que pertence a Gustavo Perrela, filho de Zezé Perrela. Não existe, segundo a PGR, nenhuma indicação de que o dinheiro tenha sido repassado para algum advogado de Aécio. 

Leia também: Temer confirma encontro com Joesley Batista, mas nega pagamento para Cunha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.