Leitura do relatório em comissão da Câmara estava marcada para ocorrer hoje; segundo ministro, texto está sendo concluído e deve manter "80% do original", com idade mínima para aposentadoria de mulheres em 62 anos

Relator da proposta de reforma da Previdência deve manter
Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas
Relator da proposta de reforma da Previdência deve manter "entre 70% e 80%" do texto original, diz ministro

A apresentação do relatório da reforma da Previdência , inicialmente prevista para ocorrer na manhã desta terça-feira (18), foi adiada para as 9h de amanhã na comissão especial que discute a proposta na Câmara dos Deputados. O adiamento foi anunciado pelo presidente do colegiado, Carlos Marun (PMDB-MS), que participa de um café da manhã no Palácio da Alvorada com o presidente Michel Temer, ministros de Estado e deputados da base aliada do governo.

“Tendo em vista a intensidade das conversações que se estabeleceram ontem, que vão se estabelecer ainda hoje nesse café da manhã e outras tratativas que acontecerão, o relator solicitou mais algumas horas para poder, inclusive, incluir no relatório o resultado dessas conversações”, disse Marun após conversa com Temer, com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e com o relator da reforma da Previdência , deputado Arthur Maia (PPS-BA).

De acordo com Meirelles, o relatório de Maia deverá manter "entre 70% e 80%" das propostas inicialmente apresentadas pelo Planalto. O ministro da Fazenda também sinalizou com a previsão de que a idade mínima para as mulheres se aposentarem deve ser de 62 anos.

"Estamos ainda no processo de discussão. Ainda não há um formato final do relatório. A ideia é que as mudanças que estão sendo negociadas com o Congresso visando viabilizar a aprovação resultem em um projeto que de fato assegure a eficiência e a eficácia fiscal da reforma", afirmou Meirelles.

"O mercado já precificava 30% de benefício a menos. No entanto, acreditamos que será bem mais que isso. Principalmente no período inicial de 10 anos. Estará dentro dos parâmetros que nós definimos como importante para que o equilíbrio fiscal do País seja reestabelecido."

Segundo Marun, o governo não vê prejuízo na alteração da data já que o calendário de votação na comissão está mantido para a próxima semana, entre 26 e 27 de abril. “É melhor concedermos mais horas para que tenhamos amanhã um texto definitivo”, disse Marun.

Leia também: STF irá criar grupo de trabalho para acelerar tramitação de ações da Lava Jato

Versão preliminar

Na semana passada, Maia apresentou uma versão preliminar do seu parecer com mudanças que eliminam a idade mínima para que uma pessoa entre na regra de transição da reforma; que era de 45 anos para a mulher e de 50 anos para o homem na proposta original. Na proposta do governo, o cidadão teria que cumprir um 'pedágio' de 50% do tempo de contribuição calculado pelas regras atuais.

Segundo Maia, sem idade mínima, cada um saberá se a transição é mais favorável que as regras novas ou não. De qualquer forma, todos teriam que obedecer a uma idade mínima de aposentadoria logo após a promulgação da reforma da Previdência; uma idade que seria elevada progressivamente até 65 anos.

Leia também: Mesmo que se prove 'vingança' de Cunha, impeachment não será anulado, diz Temer

*Com informações da Agência Brasil e da Agência Câmara

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.