Tucano deverá tomar posse na semana que vem como ministro das Relações Exteriores; afastamento do parlamentar abrirá vaga ao PMDB no Senado

Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) deverá tomar posse no Palácio do Itamaraty no dia 7 de março
Pedro França/Agência Senado - 19.2.2014
Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) deverá tomar posse no Palácio do Itamaraty no dia 7 de março

O presidente Michel Temer (PMDB) escolheu o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) para o cargo de ministro das Relações Exteriores. Líder do governo no Senado, ele irá assumir o Palácio do Itamaraty no lugar do tucano José Serra, que deixou a pasta no fim do mês passado alegando problemas de saúde.

Leia também: Ex-ministro de Dilma se torna líder do governo Temer na Câmara

A informação sobre a escolha de Aloysio Nunes para o Itamaraty foi confirmada pelo porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola. Segundo ele, o tucano é um homem público com "larga experiência política" no Executivo e no Legislativo e possui uma "longa trajetória" em defesa das causas da diplomacia brasileira e da agenda internacional do Brasil. A posse deverá ocorrer na próxima terça-feira (7).

Com o afastamento de Aloysio Nunes no Senado, o PMDB deverá ocupar mais uma cadeira na casa, já que o primeiro suplente do tucano é o peemedebista Airton Sandoval. A chapa encabeçada pelo tucano foi eleita em 2010 com quase 11,2 milhões de votos. Na ocasião, a então petista Marta Suplicy (hoje no PMDB) também foi eleita, tendo sido escolhida por pouco mais de 8,3 milhões de eleitores.

Leia também: Senado confirma Alexandre de Moraes como novo ministro do STF

Aloysio Nunes foi vice-governador de São Paulo entre 1991 e 1994, durante o mandato de Luiz Antônio Fleury Filho e ocupou diversos cargos no governo paulista, incluindo o de secretário da Casa Civil de Geraldo Alckmin (PSDB). Foi ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República e da Justiça na gestão do tucano Fernando Henrique Cardoso.

Saída de José Serra

O pedido de demissão de José Serra foi entregue ao presidente Temer no dia 22 de fevereiro . Na carta o chefe do Executivo, diz que faz a solicitação “com tristeza”, mas diz que os problemas de saúde o “impedem de manter o ritmo de viagens internacionais inerentes à função de Chanceler”. “Isto sem mencionar as dificuldades para o trabalho do dia a dia. Segundo os médicos, o tempo para restabelecimento adequado é de pelo menos quatro meses.”

Serra afirmou que “foi motivo de orgulho” integrar a equipe ministerial. Ele foi nomeado para chefiar o Palácio do Itamaraty em maio do ano passado, quando Temer assumiu a Presidência da República, ainda de maneira interina.


* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.