Segundo revista, ex-deputado enviou perguntas ao presidente, apontado como testemunha de defesa em processo sobre esquema no FI-FGTS

Presidente Michel Temer conversa com o ex-deputado Eduardo Cunha durante cerimônia na Câmara dos Deputados em 2015
Antônio Cruz/Agência Brasil - 18.11.15
Presidente Michel Temer conversa com o ex-deputado Eduardo Cunha durante cerimônia na Câmara dos Deputados em 2015

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB) enviou à Justiça Federal de Brasília  uma série de perguntas direcionadas ao presidente Michel Temer. Os questionamentos, revelados nesta quinta-feira (16) pela revista Época , referem-se ao processo no qual o ex-presidente da Câmara é acusado de envolvimento em esquema criminoso junto ao Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS).

O presidente Michel Temer foi apontado como testemunha de defesa de Eduardo Cunha e poderá responder aos questinamentos por escrito devido ao cargo que ocupa. O mesmo já havia acontecido anteriormente no âmbito do processo penal da Lava Jato  ao qual Cunha responde na Justiça Federal do Paraná.

De acordo com a revista, entre as 19 perguntas formuladas pelo próprio ex-deputado estão questionamentos acerca de possíveis "vantagens indevidas" ao hoje ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco.

"Tem conhecimento de oferecimento de alguma vantagem indevida, seja a Érica ou Moreira Franco, seja posteriormente para liberação de financiamento do FI-FGTS?”, questiona Cunha ao presidente.

O ex-parlamentar não chega a identificar quem seria Érica. Em relação ao envolvimento de Moreira Franco no caso, Cunha faz outras perguntas correlatas que sugerem a possibilidade de Temer e o ministro da Secretaria-Geral da Presidência terem participado de reuniões sobre doações eleitorais com Benedito Júnior (Odebrecht) e Léo Pinheiro (OAS).

"A denúncia trata da suspeita do recebimento de vantagens providas do consórcio Porto Maravilha (Odebrecht, OAS e Carioca), Hazdec, Aquapolo e Odebrecht Ambiental, Saneatins, Eldorado Participações, Lamsa, Brado, Moura Debeux, BR Vias", expõe Cunha. "O senhor tem conhecimento, como presidente do PMDB até 2016, se essas empresas fizeram doações a campanhas do PMDB. Se sim, de que forma?", indaga o ex-presidente da Câmara.

+ De pedra a vidraça: a saga de Eduardo Cunha em 18 atos

A campanha de Gabriel Chalita para a Prefeitura de São Paulo em 2012 pelo PMDB também é mencionada no ról de perguntas. "Sabe dizer se algum deles fez doação para a campanha de Gabriel Chalita em 2012?"

Também há perguntas sobre a ocorrência de encontros com André de Souza, representante do Conselho dos Trabalhadores no FI-FGTS.

Ação penal

Cunha responde na ação ao lado de outros quatro acusados (Henrique Eduardo Alves, Lúcio Bolonha Funaro, Alexandre Margotto e Fábio Ferreira Cleto) pelos crimes de corrupção ativa passiva, lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional. 

Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal, o peemedebista teria cobrado propina de empresas, entre 2011 e 2015 para liberar investimentos feitos com recursos do FI-FGTS.

+ MPF contesta delações de Paulo Roberto Costa e pede suspensão de benefícios

    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.