Na cadeia, Cunha está "obcecado" por sua defesa e lamenta ruptura do centrão

Aliado do ex-deputado diz que Eduardo Cunha se sente injustiçado e criticou estratégia de partidos do centrão para disputar a presidência da Câmara
Foto: José Cruz/Agência Brasil - 13.07.2016
Preso desde outubro, ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha está 'obcecado' em sua defesa na Lava Jato, diz Marun

Transferido contra sua vontade  da superintendência da Polícia Federal em Curitiba para o Complexo Médico Penal em Pinhais, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) está "obcecado" em trabalhar na sua defesa na ação penal a que responde na Operação Lava Jato.

De acordo com o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), um dos mais fiéis integrantes da hoje extinta 'tropa de choque' de Eduardo Cunha na Câmara, o ex-parlamentar se diz injustiçado e acredita que sua prisão deveria ter sido evitada.

Apesar da "obsessão" relatada por Marun, Cunha ainda encontra tempo para fazer suas análises da conjuntura política, especialmente em relação às movimentações de seus ex-colegas para definir quem será o presidente da Câmara pelo próximo biênio.

"Ele lamentou a ruptura do centrão. Eu disse que via a candidatura do Rodrigo [Maia, atual presidente da Câmara] como forte e ele afirmou que o centrão dividido não era bom. Se tivesse só um candidato participando das conversações seria mais fácil", relata Marun, que visitou Cunha na prisão na última sexta-feira (30).

Até o momento, o chamado centrão – bloco que congrega partidos médios – já tem como candidatos oficiais os deputados Rogério Rosso (PSD-DF) e Jovair Arantes (PTB-GO).

PT deve apoiar ex-ministro de Dilma em disputa pela presidência da Câmara

Profundo conhecedor do regimento interno da Câmara, Cunha não chegou a dizer a Marun como enxerga uma possível candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ), tema que é discutido entre os deputados e que motivou ainda uma consulta ao Supremo Tribunal Federal. A Constituição veta a reeleição de um chefe do Legislativo federal em pleitos seguidos, mas não indica se o mesmo veto vale para presidentes eleitos para mandatos incompletos, como é o caso de Maia.

Marun diz que cogita se candidatar para a primeira vice-presidência da Câmara, "caso ela fique com o PMDB". "O PMDB deve trabalhar até a exaustão para uma composição da base. Nosso grande foco é a governabilidade, não há essa pretensão de ter um candidato do partido", diz o parlamentar. 

De pedra a vidraça: a saga de Eduardo Cunha em 18 atos

Lava Jato

Preso desde o dia 19 de outubro, Cunha está com depoimento ao juiz federal Sérgio Moro agendado para o dia 7 de fevereiro.

De acordo com Marun, o ex-presidente da Câmara acha que deveria estar em liberdade e que não representa risco à ordem pública, como alegado por Moro na decisão que autorizou sua prisão preventiva. "Já a questão da fuga poderia ter sido dirimida com a cassação do passaporte dele", comenta o deputado.

Responsável responsável pela abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff, Eduardo Cunha é réu em ação penal da Lava Jato que apura suposto recebimento de propina do peemedebista no valor de US$ 5 milhões na compra de um campo de petróleo pela Petrobras em Benin, na África, em 2011. A propina teria sido depositada em contas não declaradas do ex-parlamentar na Suíça.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-01-04/eduardo-cunha-presidencia-camara.html