Além do petista, outras sete pessoas viraram réus no processo, incluindo a ex-primeira-dama Marisa Letícia; denúncia foi apresentada na quarta-feira

A denúncia contra Lula  foi aceita pelo juiz federal Sérgio Moro nesta segunda-feira (19)
Divulgação/Instituto Lula
A denúncia contra Lula foi aceita pelo juiz federal Sérgio Moro nesta segunda-feira (19)

Mais uma denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi aceita nesta segunda-feira (19). Com isso, o petista se torna réu em cinco ações penais.

LEIA TAMBÉM:  Lava Jato: "Todos sabiam" que triplex era de Lula, diz ex-zelador; assista

A denúncia foi aceita pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância. A decisão torna Lula e mais sete pessoas réus no processo.

Apresentada à Justiça Federal do Paraná na última quarta-feira (15), a denúncia envolve a compra de um terreno para a construção da nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo do Campo.

Além do petista, a ex-primeira-dama Marisa Letícia, o advogado de Lula, Roberto Teixeira, o empreiteiro Marcelo Odebrecht, o ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci e seu assistente, Branislav Kontic também se tornaram réus do processo. Completam a lista de réus Demerval Gusmão e Glaucos da Costamarques.

De acordo com a denúncia , o ex-presidente teria comandado um esquema envolvendo o pagamento de propina de R$ 75 milhões, que é o equivalente a percentuais de 2% a 3% do valor total de oito contratos firmados entre a Petrobras e a construtora Odebrecht.

Segundo os procuradores, esse valor teria sido repassado ao PT, ao PP e ao PMDB. Parte dessa quantia teria sido lavada por meio da compra de um terreno para sediar o Instituto Lula, em 2010.

Outro meio encontrado para lavar os recursos ilícitos teria sido a compra de uma cobertura no prédio vizinho ao que o petista e sua mulher moram em São Bernardo do Campo. O imóvel foi adquirido no nome de Glaucos da Costamarques (um dos denunciados), que teria atuado como "testa de ferro" do ex-presidente.

Réu em outros quatro processos

O petista já responde a três ações penais em Brasília, sendo uma por suposta obstrução das investigações da Lava Jato, uma na Operação Zelotes e outra na Operação Janus. 

E MAIS:  Não sobrou um: todos os principais candidatos para 2018 são citados na Lava Jato

Além disso, ele responde outra ação na Justiça Federal do Paraná na Operação Lava Jato, na qual é acusado de receber R$ 3,7 milhões da Odebrecht.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.