Marcelo Odebrecht confirma pagamento de R$ 10 milhões ao PMDB a pedido de Temer

Acerto de pagamento foi feito durante um jantar com Temer e Padilha no Palácio do Jaburu, em 2014, conta o ex-presidente e herdeiro da empreiteira
Foto: Beto Barata/PR - 24.10.16
Michel Temer foi mais uma vez citado pelos executivos da empreiteira, por estar envolvido com os esquemas de corrupção. Marcelo Odebrecht confirmou entrega de dinheiro ao PMDB

O ex-presidente e herdeiro do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, confirmou aos investigadores da Operação Lava Jato que o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) recebeu o pagamento de R$ 10 milhões a pedido do presidente da República Michel Temer, membro do partido. As informações foram divulgadas no jornal Folha de S.Paulo desta quarta-feira (14).

LEIA TAMBÉM:  Tribunal Superior Eleitoral vai julgar chapa Dilma-Temer no ano que vem

De acordo com a publicação, Marcelo Odebrecht , que fechou acordo de delação premiada, depôs por pouco mais de três horas na última segunda-feira (12) em Curitiba. De acordo com procuradores, as oitivas seguiram terça-feira (13) e devem durar ao menos três dias.

A informação sobre o pagamento ao PMDB havia sido divulgada primeiramente pelo ex-executivo da empreiteira Cláudio Melo Filho. Hoje, com a confirmação do herdeiro do grupo, as suspeitas sobre Temer aumentam.

Segundo Marcelo, em maio de 2014, durante um jantar no Palácio do Jaburu –residência oficial do vice-presidente da República –, Temer, então vice de Dilma, e Eliseu Padilha, hoje ministro da Casa Civil, acertaram o pagamento de R$ 10 milhões de Odebrecht para a campanha peemedebista.

VEJA AINDA:  “É preciso coragem para governar”, diz Temer após votação da PEC dos Gastos

Marcelo não deu detalhes sobre a operacionalização do dinheiro que, de acordo com Melo Filho, foi feita por Padilha. Segundo o ex-executivo, o hoje ministro do governo pediu que parte dos recursos fosse entregue no escritório de José Yunes, assessor e amigo de Temer, em São Paulo.

Temer, Padilha e Yunes negam ter praticado qualquer tipo de irregularidade e a empreiteira não se manifesta sobre o teor dos acordos.

Presidente negociava com Presidência

Segundo o jornal, os relatos apresentados aos procuradores informam que Marcelo era o responsável por tratar dos assuntos da empreiteira com a alta cúpula do Executivo, ou seja, a Presidência da República. Já Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, fazia a ponte com o Legislativo.

E MAIS:  Temer diz ao juiz Moro que desconhece atuação de Cunha em esquema da Petrobras

Marcelo Odebrecht está preso em Curitiba, desde 19 de junho de 2015. Sua pena será de dez anos, sendo mais um em regime fechado.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-12-14/marcelo-odebrecht.html