Lula foi indiciado pelo crime de corrupção passiva, enquanto Marisa, Palocci e as outras quatro pessoas foram denunciados por lavagem de dinheiro

Lula foi indiciado com outras seis pessoas no âmbito da Operação Lava Jato
Lula
Lula foi indiciado com outras seis pessoas no âmbito da Operação Lava Jato


A Polícia Federal indiciou na noite desta segunda-feira (12), na Operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ex-primeira-dama Marisa Letícia, o ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci, e outras quatro pessoas, de acordo com informações da Globo News.

LEIA TAMBÉM: Lula é denunciado pelo MPF por tráfico de influência e lavagem de dinheiro

Dois inquéritos fazem parte do indiciamento, um sobre uma negociação fracassada da compra de um terreno para o Instituto Lula , em São Paulo, e outro acerca da compra de um apartamento que fica em frente ao que o ex-presidente vive, em São Bernardo do Campo (SP). 

Os dois casos envolveriam pagamentos de propina da Odebrecht para Lula, segundo a Polícia Federal e, portanto, acabaram sendo unificados. 

Lula foi indiciado pelo crime de corrupção passiva. Já Marisa Letícia, o ex-ministro Antônio Palocci,  o advogado de Lula, Roberto Teixeira, o assessor de Palocci, Branislav Kontic, o primo do pecuarista José Carlos Bumlai, Glaucos da Costamaques e  o dono da empresa DAG Construtora, Demerval de Souza Gusmão Filho,  foram indiciados por lavagem de dinheiro.

O ex-presidente Lula foi alvo de outras quatro denúncias da Procuradoria-Geral da República (PGR), além de responder a três ações penais. 

LEIA TAMBÉM: Lula diz que indiciamento da Polícia Federal é "campanha de massacre midiático"

A defesa de Lula afirma que a transação seria um "delírio acusatório", enquanto a assessoria de imprensa do Instituto Lula afirmou que nunca foi proprietária do terreno em questão e que o petista aluga um apartamento vizinho ao seu. Já a defesa de Palocci afirmou que nada foi encontrado que pudesse incriminar seu cliente.

Relembre o caso

Tanto o caso da compra do terreno, que seria usado para construir sede do Instituto Lula, quanto o caso do aluguel do apartamento próximo ao que mora o ex-presidente estariam relacionados com o pagamento de propina da construtora Odebrecht para Lula.

Até então, os dois casos faziam parte de diferentes inquéritos, até que o delegado Márcio Adriano Anselmo, autor do indiciamento, levou em conta que deveria juntar as investigações, por serem fatos correlatos.

LEIA TAMBÉM:  Lula é indiciado por corrupção em contratos em Angola

Segundo a investigação, Antônio Palocci operava com a distribuição de propina da Odebrecht ao PT, de Lula. A Polícia Federal afirma que o ex-ministro utilizava sua influência para agir de forma favorável aos interesses da empreiteira com o governo federal.

    Leia tudo sobre: lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.