Presidente da OAB defende o afastamento imediato de Renan Calheiros no Senado

Peemedebista se tornou réu pela primeira vez nesta quinta-feira, mas segue como líder da Casa; Lamachia diz que afastamento "trata-se de zelo"
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil - 22.02.15
'É necessário que ele (Renan) se afaste imediatamente de suas funções de presidente do Senado e do Congresso Nacional', diz o presidente da OAB, Cláudio Lamachia

O presidente da Ordem Nacional dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, defendeu o afastamento imediato do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que virou réu em ação penal por peculato no Supremo Tribunal Federal , na noite desta quinta-feira (1º).

Em comunicado, Lamachia diz que "não se trata aqui de fazer juízo de valor quanto à culpabilidade do senador Renan Calheiros, uma vez que o processo que o investiga não está concluído". Segundo o presidente da OAB, o pedido de afastamento de Renan Calheiros “trata-se de zelo pelas instituições da República”.

“Com a decisão tomada pelo STF de tornar o presidente do Senado, Renan Calheiros, réu em processo sobre peculato, é necessário que ele se afaste imediatamente de suas funções de presidente do Senado e do Congresso Nacional para que possa bem exercer seu direito de defesa sem comprometer as instituições que representa.”

Presidente do Senado se torna réu pela primeira vez

Renan se tornou réu no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo crime de peculato, que é configurado quando o agente público desvia recursos. Oito dos 11 ministros da Corte votaram pelo recebimento da denúncia contra o peemedebista, que foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em 2013. Ou seja, não há mais como reverter o placar.

LEIA TAMBÉM:  Renan vira réu, mas continua presidente do Senado – entenda por que

Até o início da noite desta quinta-feira, votaram pelo recebimento da denúncia contra Renan Calheiros por peculato os ministros Edson Fachin, Roberto Barroso, Teori Zavascki, Rosa Weber, Luiz Fux, Marco Aurélio Melo e Celso de Mello, além da presidente Cármen Lúcia.

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado - 10.05.16
Renan Calheiros se tornou réu pelo crime de peculato, que é configurado quando o agente público desvia recursos

Em relação ao crime de falsidade ideológica, os ministros Rosa Weber e Roberto Barroso votaram pelo recebimento da denúncia, que diz respeito à utilização de documentos falsos.

O ministro Dias Toffoli votou pela rejeição total da denúncia contra o senador, ou seja, para que não seja aberto processo por nenhum dos dois crimes. O voto foi acompanhado pelos ministros Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

E MAIS:  Renan Calheiros defende reforma política e diz que sistema está "falido"

Essa é a primeira vez que Renan Calheiros se torna réu. Mesmo com a decisão do STF, o peemedebista segue como presidente do Senado.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-12-02/renan-calheiros-oab.html