Entre as apostas do prefeito eleito em São Paulo estão a ex-vereadora do PT, Soninha Francine, e o ex-presidente do Metrô e da CPTM, Sérgio Avelleda

Futuro prefeito de São Paulo, João Doria afirmou que seu partido, PSDB, e o PMDB fecharam aliança para a capital paulista
Valter Campanato/Agência Brasil - 25.10.16
Futuro prefeito de São Paulo, João Doria afirmou que seu partido, PSDB, e o PMDB fecharam aliança para a capital paulista


O prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou nesta quinta-feira (10) a criação da Secretaria Municipal de Desestatização e Parcerias. A pasta será responsável por privatizar áreas públicas e fazer concessões. O tucano também anunciou outros sete nomes que irão compor o primeiro escalão do seu governo, que terá início em 1º de janeiro do próximo ano. 

LEIA MAIS:  Quem é João Doria, o novo prefeito da cidade de São Paulo

O secretário de Desestatização será o empresário Wilson Poit, que já integrou a administração do petista Fernando Haddad, ocupando, entre 2013 e 2015, os cargos de presidente da São Paulo Negócios e da SPTuris, além de ter chefiado a pasta de Turismo. Na gestão Doria , ficará à frente do programa de privatizações planejado pelo futuro prefeito.

À frente da pasta de Desenvolvimento Social ficará a ex-vereadora do PT, Soninha Francine, hoje no PPS. Soninha foi coordenadora de políticas para a Diversidade Sexual do Governo de São Paulo. Há três anos, fundou a associação CASA Bodisatva, direcionada a moradores de rua e de favelas. 

João Doria (PSDB) confirmou nesta quinta-feira (10) a criação da Secretaria Municipal de Desestatização e Parcerias
Reprodução
João Doria (PSDB) confirmou nesta quinta-feira (10) a criação da Secretaria Municipal de Desestatização e Parcerias



Fazenda

Para comandar a secretaria da Fazenda, o peesedebista indicou o economista Caio Megale, professor de economia na PUC-Rio e no IBMEC São Paulo. Megale era associado do Itaú até este mês de novembro. O economista passou pelas empresas Llyods Asset Management, Gávea Investimento e Mauá Investimentos, onde era sócio fundador e economista-chefe. 

LEIA MAIS:  Alvos de nova fase da Lava Jato lavaram mais de R$ 50 milhões, segundo MPF

O prefeito eleito também anunciou Sérgio Avelleda, ex-presidente do Metrô e da CPTM, como secretário de Transporte e Mobilidade. Avelleda foi advogado especialista em gestão pelo Insper, além de ter feito parte da gerência jurídica do Metrô de São Paulo entre 2002 e 2007. Além disso, foi consultor da Organização das Nações Unidas junto ao Parlamento Nacional da República Democrática do Timor Leste. 

LEIA MAIS:  "Vamos reconduzir São Paulo ao papel que a cidade merece", diz Doria

Relações Exteriores

Já para a secretaria das relações exteriores, Doria confirmou o empresário e dono da rede de hotéis "Vila Rica", Julio Serson. Formado em admnistração de empresas pela FGV, Serson tem especialização em negócios pela Universidade de Harvard (EUA). Na carreira pública, o gestor foi secretário de Esporte e Turismo do governo estadual de São Paulo na gestão Mario Covas além de ter sido presidente da Associação Brasileira de Indústria e Hotéis. 

Outros nomes efetivados por Doria foram Daniel Annemberg, secretário de Tecnologia e Inovação; Heloisa Proença, secretária de Desenvolvimento Urbano e Fábio Santos, secretário Especial de Comunicação. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.