Ministro do STF nega pedido para soltar Eduardo Cunha

Teori Zavascki manteve a decisão do juiz federal Sérgio Moro; ex-deputado foi preso no fim de outubro em decorrência de ações da Operação Lava Jato
Foto: Nelson Jr./SCO/STF - 27.10.2016
Ministro Teori Zavascki manteve a decisão tomada pelo juiz federal Sérgio Moro, da Justiça do Paraná

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki negou nesta sexta-feira (4) pedido do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para deixar a prisão. Cunha está preso desde o dia 19 de setembro na carceragem da Polícia Federal em Curitiba em função das investigações da Operação Lava Jato.

LEIA MAIS:  De pedra a vidraça: a saga de Eduardo Cunha em 18 atos

Na petição, os advogados haviam afirmado o Supremo decidiu que Cunha não poderia ser preso pelos fatos investigados contra ele na Lava Jato, ao entender que o ex-deputado deveria ser afastado da presidência da Câmara em maio. Para a defesa, os ministros decidiram substituir a prisão pelo afastamento e um novo pedido de prisão não poderia ser aceito pelo juiz federal Sérgio Moro.

Na decisão, o ministro decidiu manter a prisão do ex-deputado por entender que Moro não violou decisão da Corte. Os detalhes do despacho não foram divulgados porque a petição está em segredo de Justiça.

A prisão foi decretada na ação penal em que o deputado cassado é acusado de receber R$ 5 milhões, que foram depositados em contas não declaradas na Suíça. O valor seria oriundo de vantagens indevidas, obtidas com a compra de um campo de petróleo pela Petrobras em Benin, na África. O processo foi aberto pelo Supremo, mas, após a cassação do mandato do parlamentar, a ação foi enviada para o juiz Sérgio Moro porque Cunha perdeu o foro privilegiado.


Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-11-04/teori.html