Marcelo Odebrecht faz acordo com a Lava Jato e sairá da cadeia em 2017

Na negociação, por meio de delação premiada, ficou acertado que a pena total dele será de 10 anos, sendo apenas 2 anos e meio em regime fechado
Foto: Reprodução/Twitter
A partir de dezembro de 2017, o empresário entraria em progressão de regime, cumprindo pena no semiaberto e aberto, inclusive o domiciliar

O herdeiro da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, que está preso desde junho do ano passado no Paraná, sob suspeita de envolvimento no esquema de desvios da Petrobras, ficará na cadeia apenas até o final de 2017. As informações foram publicadas nesta quarta-feira (2) no jornal Folha de S.Paulo.

LEIA TAMBÉM:  Uma pessoa é morta a cada 90 minutos no Rio de Janeiro, diz governo

Segundo a publicação, os advogados da empreiteira fizeram um acordo com o Ministério Público Federal, por meio de delação premiada. Na negociação, ficou acertado que a pena total de Marcelo Odebrecht será de dez anos, sendo dois anos e meio em regime fechado.

A partir de dezembro de 2017, portanto, o empresário entraria em progressão de regime, cumprindo pena no semiaberto e aberto, inclusive o domiciliar.

E MAIS:  "Quem gosta de fazer política é a elite", diz Lula

Ainda de acordo com o jornal, a mulher dele, Isabela Odebrecht, já começou a reformar o escritório que fica na casa do casal, em São Paulo, para que o marido possa trabalhar quando for libertado em regime semiaberto.

Delação premiada

A delação da Odebrecht é uma das mais aguardadas pelos investigadores da Lava Jato. Cerca de 80 executivos e outros funcionários da empresa negociam com a PGR (Procuradoria-Geral da República), em Brasília, e a força-tarefa em Curitiba.

VEJA AINDA:  Portugal amplia relações com Brasil, diz primeiro-ministro

Segundo jornal, a expectativa é que o acordo seja assinado até o fim deste mês. A partir daí, começa a fase de depoimentos e, depois, o acerto para a homologação judicial.

Nas conversas preliminares de negociação da delação, políticos de vários partidos foram mencionados pelos executivos, entre eles os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT), assim como o presidente Michel Temer (PMDB), o ministro de Relações Exteriores, José Serra (PSDB), governadores e congressistas. Todos vêm negando as irregularidades.

Em março, o juiz Sergio Moro, que conduz a Lava Jato na Justiça Federal, condenou Marcelo Odebrecht a 19 anos e quatro meses de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Entre os benefícios de fechar uma colaboração com a Justiça estaria, inclusive, a redução dessa pena.

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-11-02/odebrecht.html