Tamanho do texto

Materiais foram apreendidos pela Polícia Federal na última sexta-feira (21) durante a Operação Métis; ação gerou tensão entre Executivo e Judiciário

Ministro Teori Zavascki determinou que os materiais apreendidos pela PF no Senado sejam enviados ao seu gabinete
Nelson Jr./SCO/STF - 27.10.2016
Ministro Teori Zavascki determinou que os materiais apreendidos pela PF no Senado sejam enviados ao seu gabinete

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki determinou nesta quinta-feira (27) que as "maletas antigrampo" apreendidas no Senado, durante a Operação Métis, da Polícia Federal, sejam enviadas para o seu gabinete. A medida foi tomada na ação em que o Senado pediu a devolução dos objetos, que estavam em poder da Polícia do Senado.

LEIA MAIS:  Juiz diz que Polícia do Senado atuava desde 2015 para atrapalhar Lava Jato

Os aparelhos apreendidos foram usados pelos policiais legislativos para fazer varreduras em busca de escutas ambientais nos gabinetes e residências particulares de alguns parlamentares. O entendimento de Teori faz parte da decisão na qual determinou a suspensão da operação. Ao decidir o caso, o ministro entendeu que há indícios de que o juiz federal Vallisney Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, investigou parlamentares, que têm foro privilegiado e só podem ser alvo de diligências com autorização do Supremo.

Ontem (26), o Senado protocolou uma ação para anular os atos da Operação Métis e pediu uma medida liminar para a devolução imediata de todos os equipamentos e documentos que tenham sido apreendidos pela Polícia Federal nas dependências do Senado.

Os advogados da Casa argumentaram que a operação constitui intimidação e constrangimento ao trabalho do Poder Legislativo e fere o princípio de separação dos Poderes, uma vez que a PF é órgão do Poder Executivo.

Em anúncio aos senadores no plenário da Casa, Renan Calheiros também comunicou que vai entrar com uma representação contra o juiz Vallisney de Souza, que autorizou a Operação Métis, no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

LEIA MAIS:  Cármen Lúcia cobra respeito aos juízes brasileiros após crítica de Renan

Segundo Renan, o juiz deverá explicar o que motivou sua decisão. O CNJ ainda não recebeu a representação contra Vallisney.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.