Tamanho do texto

Superfaturamento dos anúncios seria maneira de disfarçar o pagamento de propinas em troca de medidas que beneficiassem a família Constantino

Publicidades foram publicados no site evangélico Fé em Jesus e no comércio online Bom Mercatto
José Cruz/Agência Brasil - 13.07.2016
Publicidades foram publicados no site evangélico Fé em Jesus e no comércio online Bom Mercatto

Anúncios comprados pela Gol Linhas Aéreas em dois sites do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB) custaram pelo menos cem vezes mais que os valores normalmente praticados no mercado publicitário e, por isso, estão sendo investigados pela Operação Lava Jato.  As informações foram publicadas na edição desta quinta-feira (27), no jornal Folha de S.Paulo.

De acordo com a publicação, os anúncios superfaturados teriam sido usados para disfarçar o pagamento de propinas em troca da defesa no Congresso de medidas que beneficiassem empresas da família Constantino, que controla a Gol.

LEIA TAMBÉM:  Presidente da Câmara minimiza atrito entre Legislativo e Judiciário

Por quatro banners, a empresa pagou 11 parcelas de R$ 200 mil em 2012 e 2013, desembolsando um total de R$ 2,2 milhões, como consta em documentos fornecidos à Polícia Federal pela agência de publicidade que mantém a conta da Gol, a AlmapBBDO.  As publicidades foram publicados no site evangélico Fé em Jesus e no comércio online Bom Mercatto.

A Gol informou que a empresa está passando por uma auditoria para verificar o caso. A Almap explicou que as publicidades faziam parte de uma campanha divulgada em mais de 50 websites e que comprou os anúncios a pedido do seu cliente, da companhia aérea.

    Leia tudo sobre: EDUARDO CUNHA
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.