"Quem pensa que vai me derrotar com mentiras vai cair do cavalo", diz Lula

Ex-presidente rebateu as acusações da Operação Lava Jato que o apontou como sendo o "amigo" das planilhas apreendidas da empreiteira Odebretch
Foto: Reprodução/ Facebook
Lula: PF suspeita que Odebrecht usava os codinomes 'amigo de meu pai” e “amigo de eo” para se referir ao ex-presidente

Em sua página no Facebook, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva rebateu as acusações da Operação Lava Jato que o apontou como sendo o "amigo" das planilhas apreendidas da empreiteira Odebretch . Lula é suspeito de ter recebido R$ 8 milhões em propina.

"Se o Power Point não deu certo, agora a Lava Jato inventa acusações contra Lula com uma tabela de Excel, sem nenhuma base em provas ou movimentações financeiras, feitas por um delegado que sequer cuida das investigações sobre Lula", argumenta o ex-presidente que afirmou ainda que todas as suas contas foram "devassadas e jamais recebeu qualquer recurso ilegal".

A suspeita da Polícia Federal foi divulgada na última segunda-feira (24) no relatório de indiciamento do ex-ministro Antônio Palocci , enviado ao juiz federal Sérgio Moro. Para a PF, o empresário Marcelo Odebrecht, preso na Operação Lava Jato, usava os codinomes “amigo”, "amigo de meu pai” e “amigo de EO [Emílio Odebrecht, pai de Marcelo]” para se referir ao ex-presidente.

De acordo com os investigadores, os codinomes eram usados por Odebrecht em conversas com terceiros. A PF diz no relatório que há “respaldo probatório e coerência investigativa em se considerar" que o termo "amigo" faz referência à Lula.

No despacho em que Palocci foi indiciado, a PF afirmou que a empreiteira comandada por Marcelo Odebrecht tinha uma “verdadeira conta-corrente de propina” com o PT. Para os investigadores, a conta era gerida pelo ex-ministro.

Segundo os investigadores, os pagamentos ao ex-ministro eram feitos por meio do Setor de Operações Estruturadas da empreiteira, setor responsável pelo pagamento de propina a políticos, em troca de benefícios indevidos no governo federal.

LEIA MAIS: Da infância ao legado petista: conheça a trajetória do ex-presidente Lula

"Quem pensa que vai me derrotar com mentiras, com chantagem, com safadeza, vai cair do cavalo. Eu posso perder uma eleição, aliás eu já perdi quatro eleições. Perdi para governador em 1982, perdi em 89, 94, 98 e não desanimei. Agora vou me desanimar porque perdi uma para a prefeitura? Aqui (em São Paulo) a gente só ganhou três vezes", disse o ex-presidente no vídeo.

Lula ainda afirmou que sua vida é lutar. "Lutar sonhando em conquistar coisas para esse País. Tentar provar que é possível melhorar a vida das pessoas. E ninguém, a não ser Deus, vai fazer que eu pare de fazer isso."

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-10-25/lula-defesa-propina.html