Durante posse de novo ministro, Temer chamou discurso da oposição de "equivocado" e convocou governantes à votação do corte de gastos no País

Presidente Michel Temer durante cerimônia de posse do novo Ministro de Estado do Turismo, Marx Beltrão Lima Siqueira
Beto Barata/PR - 05.10.2016
Presidente Michel Temer durante cerimônia de posse do novo Ministro de Estado do Turismo, Marx Beltrão Lima Siqueira


O presidente Michel Temer fez nesta quarta-feira (5) duras críticas à maneira como as oposições atuam no Brasil no sentido de buscarem a "destruição" dos governo. 

LEIA MAIS:  Com 14% de aprovação, Temer tem 2ª pior popularidade em ranking das Américas

Temer  admitiu que continuará havendo oposição forte ao seu mandato e acusou a oposição de propagar um discurso "político" sem embasamento "jurídico".

"A tese é a seguinte: se eu não estou no governo, eu tenho que destruir o governo. Isso é uma coisa nossa. É uma coisa cultural histórica", criticou durante cerimônia de posse do Deputado Federal Marx Beltrão (PMDB-Alagoas) no cargo de ministro de Turismo.

LEIA MAIS:  Temer diz que alto índice de abstenção é recado dos eleitores aos políticos

O presidente ainda pediu aos ministros que não "se incomodem com os getos da oposição" que, em sua visão, são "equivocados". 

“Você tem de fazer uma distinção entre o momento político-eleitoral, que é o momento em que as pessoas disputam votos para chegar ao poder, e o momento político-administrativo, que é o segundo momento, um momento pós-eleitoral em que todos os brasileiros devem se unir em benefício do país”, disse. 

Novo Ministro de Estado do Turismo, Marx Beltrão Lima Siqueira e presidente Michel Temer em cerimônia de posse
Beto Barata/PR - 05.10.2016
Novo Ministro de Estado do Turismo, Marx Beltrão Lima Siqueira e presidente Michel Temer em cerimônia de posse


Apesar das críticas aos opositores, Temer reforçou a relevância dos movimentos para a democracia do país.

Em relação aos planos de cortes dos gastos públicos no país, o mandatário reforçou que "não se pode gastar mais do que se arrecada" e acusou as gestões passadas pelo aumento na inflação.

LEIA MAIS:  Temer diz que não está preocupado com impopularidade

"Se o teto tivesse sido promovido há cinco ou seis anos, o país teria déficit zero. Portanto peço aos deputados que empenhem para estar aqui na segunda-feira, porque é fundamental votarmos", finalizou.

Baixa Popularidade

De acordo com um ranking realizado pela consultoria mexicana Mitofsky, a popularidade do peemedebista é de 14%, o que o torna a segunda liderança mais impopular entre os 20 dos principais chefes de Estado das Américas. 

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.