Presidente afirma não ver risco de contradições entre seu discurso de reunificação e repacificação nacional e os protestos contra governo federal


Michel Temer chega com comitiva para reuniões na China: ele nega ter sido surpreendido por fatiamento de votações
Beto Barata/PR
Michel Temer chega com comitiva para reuniões na China: ele nega ter sido surpreendido por fatiamento de votações

O presidente Michel Temer disse nesta sexta-feira (2), em viagem à China , não ver risco de contradições entre seu discurso de reunificação e repacificação nacional e as manifestações contra seu governo realizadas nos últimos dias, após o impeachment de Dilma Rousseff. E classificou como coisa de um ou outro "movimentozinho" os atos organizados contra ele nos últimos dias. 

“A mensagem de reunificação e repacificação nacional que eu lanço não é em benefício pessoal, mas dos brasileiros. E eu sinto que os brasileiros querem isso", disse Michel Temer aos jornalistas que o acompanham na viagem. "Quem muitas vezes se insurge, como um ou outro movimentozinho, é sempre um grupo muito pequeno de pessoas. Não são aqueles que acompanham a maioria dos brasileiros."

Direitos de Dilma

Na conversa com a imprensa, o presidente também  negou ter sido surpreendido pela manobra no Senado  que resultou na habilitação da ex-presidente Dilma Rousseff para exercer funções públicas nos próximos oito anos – medida que aliados do presidente repudiam e tentam reverter no Supremo Tribunal Federal.

“Estou acostumado a isso. Estou há mais de 34 anos na vida pública e acompanho permanentemente esses pequenos embaraços que logo são superáveis”, afirmou Temer. “Ontem mesmo [quinta-feira], falei com companheiros do PSDB, PMDB e DEM e esta questão toda será superada. Não há a menor dificuldade. Não se tratou de manobra. Tratou-se de uma decisão que se tomou. Sempre aguardo respeitosamente as decisões do Senado."

Segundo o presidente, essa questão entrou, agora, em uma "seara" jurídica. "O Senado tomou a decisão. Certa ou errada, não importa, o Senado tomou a decisão. Me parece que ela está sendo questionada agora juridicamente. Então, ela sai agora do plano exclusivamente político para o quadro de uma avaliação de natureza jurídica.”

Michel Temer é cercado por aliados antes de ser oficialmente empossado presidente da República, na quarta-feira
Beto Barata/PR - 31.8.16
Michel Temer é cercado por aliados antes de ser oficialmente empossado presidente da República, na quarta-feira


China

O principal compromisso do presidente na China é uma reunião do G-20, encontro que reúne as 20 maiores economias mundiais. O compromisso foi o que levou Temer a pressionar aliados a agilizar a votação do impeachment para, assim, marcar presença como presidente efetivo.

LEIA MAIS: Grupo anti-Temer desafia proibição de Alckmin e confirma atos para domingo 

O Ministério das Relações Exteriores e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) promoveu o Seminário Empresarial de Alto Nível Brasil-China em Xangai. Henrique Meirelles, ministro da Fazenda; José Serra, das Relações Exteriores; Maurício Quintella, ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, e Blairo Maggi, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, participaram como palestrantes.

Nos dias 4 e 5, Temer parte de Xangai e segue para participação na 21ª reunião de Cúpula do G20. Ele se reunirá com o presidente chinês, Xi Jinping, em sua primeira reunião bilateral como um chefe de Estado. Há previsão de que o peemedebista participe também de reuniões com presidentes dos países que integram o BRICS: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

A aceleração das discussões sobre o combate à evasão tributária é um dos principais pontos defendidos pelo Brasil, afirma o Ministério da Fazenda. A tributação de empresas multinacionais que burlam a legislação para não pagar impostos tanto nos países onde estão instaladas quanto nos países-sede é um dos pontos de debate.

Michel Temer assumiu o cargo de presidente da República efetivo em 31 de agosto. Com a viagem à China, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), assumiu o comando do País durante a ausência do peemedebista.

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.